Relogio Com Comentario

VERSÍCULO DO DIA

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

LIÇÃO 6 - SANTIFICARÁS O SÁBADO

LIÇÃO 6 - SANTIFICARÁS O SÁBADO - 8 de Fevereiro de 2015


TEXTO ÁUREO - "E disse-lhes: O sábado foi feito por causa do homem, e não o homem, por causa do sábado." (Mc 2.27)

VERDADE PRÁTICA - O quarto mandamento envolve os aspectos espiritual e social, diz respeito ao relacionamento do homem com Deus e ao mesmo tempo com o próximo.

LEITURA DIÁRIA
Segunda - Gn 2.2 - Deus descansou no sétimo dia da criação
Terça - Êx 16.29,30 - O sábado é um presente de Deus para o povo de Israel
Quarta - Êx 23.12 - O sábado foi dado a Israel para descanso
Quinta - Rm 14.5,6 - A fé cristã é isenta de toda forma de legalismo
Sexta - Cl 2.16,17 - A lei, juntamente com o sábado legal, foi encravada na cruz
Sábado - Hb 4.8 - O sábado institucional se cumpre na vida da Igreja

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Êxodo 20.8-11; 31.12-17

OBJETIVO GERAL - Compreender o significado do sábado para os cristãos.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS - Ao lado, os objetivos específicos referem-se aos que o professor deve atingir em cada tópico.
Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.
• Analisar o conceito do sábado.
• Considerar a forma da instituição do sábado.
• Explicar os aspectos legais e cerimoniais do sábado.
• Destacar o preceito cerimonial.
• Apresentar Jesus como o Senhor do Sábado.

INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Vivemos em um "mundo capitalista". Uma das características da sociedade moderna é a ansiedade e a sensação da falta de tempo. Parece que as pessoas não têm mais tempo para a sua família, o lazer ou, até mesmo, compromissos pessoais considerados banais. Quando o trabalho toma o tempo de Deus, da família e da alma, está na hora de agirmos.
A lição desta semana falará do sábado do Senhor. Não deixe que a aula se transforme num campo de confronto entre doutrinas adventistas e cristãs históricas. O conteúdo da aula é o mais importante. Devemos resgatar a ideia de guardarmos um tempo para o descanso da mente e do corpo, da consagração a Deus e do lazer. Deus o abençoe!

COMENTÁRIO

INTRODUÇÃO - As controvérsias deste mandamento giram em torno da sua interpretação. Temos aqui a relação trabalho-repouso e ao mesmo tempo o relacionamento de Deus com Israel. A necessidade de um dia de repouso após seis jornadas de trabalho é universal, mas o sábado é um presente de Deus para Israel. O mandamento de santificar o sábado é mais bem compreendido quando se conhece o propósito pelo qual ele foi dado.

I. O SÁBADO DA CRIAÇÃO
1. O shabat. Deus celebrou o sétimo dia após a criação e abençoou este dia e o santificou (Gn 2.2,3). Aqui está a base do sábado institucional e do sábado legal. O sábado legal não foi instituído aqui; isso só aconteceu com a promulgação da lei. O substantivo shabbat, "sábado", não aparece aqui, na criação. Surge pela primeira vez no evento do maná (Êx 16.22, 23). A Septuaginta emprega a palavra sabbaton, "sábado, semana", a mesma usada no Novo Testamento grego.
2. Deus concluiu a criação no dia sétimo. Deus completou a sua obra da criação no sétimo dia. Deus "descansou" ou seja, cessou, é o significado do verbo hebraico usado aqui, shabat, "cessar, desistir, descansar" (Gn 8.22; Jó 32.1; Ez 16.41). Esse descanso é sinônimo de cessar de criar, e indica a obra concluída. Não se trata de ociosidade, pois Deus não para e nem se cansa (Is 40.28; Jo 5.17).
3. A bênção de Deus sobre o sétimo dia. Ele abençoou e santificou o sétimo dia como um repouso contínuo, na dispensação da inocência, mas isso foi interrompido por causa do pecado. Agostinho de Hipona lembra que não houve tarde no dia sétimo, e afirma que Deus o santificou para que esse dia permanecesse para sempre (Confissões, Livro XIII, 36). O sábado da criação aponta para o descanso de Deus ao mundo inteiro no fim dos tempos: "Portanto, resta ainda um repouso para o povo de Deus" (Hb 4.9).
PONTO CENTRAL
Encarar o sábado não como a letra da Lei, mas um princípio dado por Deus ao ser humano para desfrutar do descanso semanal.

CONHEÇA MAIS
*PATRIARCA - Título que descreve o chefe ou o fundador de uma família ou tribo do Israel Antigo. Três são os pricipais patriarcas de Israel: Abraão, Isaque e Jacó (Hb 7.4; At 7.8,9). Também se aplica aos 12 filhos de Jacó e ao rei Davi, devido à linhagem messiânica. Esses personagens remontam à era patriarcal da história de Israel.
Leia mais em História de Israel no Antigo Testamento
SÍNTESE DO TÓPICO I - A base institucional e legal do sábado foi a celebração de Deus no sétimo dia, após a criação. O Criador abençoou e santificou esse dia.

II. O SÁBADO INSTITUCIONAL
1. Desde a criação. É o sábado para descanso de todos os povos. É uma questão moral que Deus estabeleceu para a raça humana ao comemorar a criação. Tornou modelo e uma forma natural para toda a raça humana. É a ordem natural das coisas: os campos precisam de repouso, as máquinas necessitam parar para manutenção e assim por diante (Lv 25.4). O sábado institucional, portanto, não se refere ao sétimo dia da semana; pode ser qualquer dia ou um período de descanso (Hb 4.8).
2. Não era mandamento. O sétimo dia da criação não era mandamento, mas revela a necessidade natural do descanso de toda a natureza. O repouso noturno de cada dia não é suficiente para isso. Deus abençoou e santificou esse dia não somente para comemorar a obra da criação mas para que, nesse dia, todos cessem o trabalho e assim descansem física e mentalmente para oferecer o seu culto de adoração a Deus.
3. Os patriarcas não guardaram o sábado. O livro de Gênesis não menciona os patriarcas* Abraão, Isaque e Jacó observando o sábado. Segundo Justino, o Mártir, Abraão e seus descentes até o Sinai agradaram a Deus sem o sábado (Diálogo com Trifão 19.5). Irineu de Lião diz que Abraão, "sem circuncisão e sem observância do sábado, 'acreditou em Deus e lhe foi imputado a justiça e foi chamado amigo de Deus'" (Contra as Heresias, Livro IV, 16.2).
SÍNTESE DO TÓPICO II - O sábado institucional se refere à necessidade de um período de descanso para a Criação e para o homem.

III. O SÁBADO LEGAL
1. Significado. É o sétimo dia da semana no calendário judaico, marcado para repouso e adoração. Foi introduzido no mundo pela lei; é o sábado legal dado aos israelitas no Sinai. Nenhum outro povo na história recebeu a ordem para guardar esse dia; é exclusividade de Israel (Êx 31.13, 17). O sábado e a circuncisão são os dois sinais distintivos do povo judeu ao longo dos séculos (Gn 17.11).
2. O sábado do Decálogo. A expressão "Lembra-te do dia do sábado, para o santificar" (Êx 20.8), remete a uma reminiscência histórica e, sem dúvida alguma, Israel já conhecia o sábado nessa ocasião. Mas parece não ser referência ao sábado da criação. Ele aparece na promulgação da lei (Êx 20.11), contudo, essa reminiscência não reaparece em Deuteronômio (Dt 5.12-15). Trata-se, com certeza, do sábado que o povo não levou a sério no deserto (Êx 16.22-29).
3. Propósito. A instituição do sábado legal no Decálogo tinha um propósito duplo: social e espiritual. Cessar os trabalhos a cada seis dias de labor era dar descanso aos seres humanos e aos animais e dedicar um dia para adoração a Deus. É um memorial da libertação do Egito (Dt 5.15). Duas vezes é dito que o sábado é um sinal distintivo entre Deus e a nação de Israel (Êx 31.13,17).
SÍNTESE DO TÓPICO III - O sábado legal é um dia de descanso, introduzido na cultura do povo judeu por meio da Lei.

SUBSÍDIO TEOLÓGICO
"A questão do Sábado - A questão não é o sábado em si, mas o fato de que não estamos debaixo do Antigo Concerto: 'Mas agora alcançou ele ministério tanto mais excelente, quanto é mediador de um melhor concerto, que está confirmado em melhores promessas'(Hb 8.6). Leia os versículos seguintes até o 13. A Palavra profética previa a chegada do Novo Concerto: 'Eis que dias vêm, diz o SENHOR, em que farei um concerto novo com a casa de Israel e com a casa de Judá [...]' (Jr 31.31-33). Esse 'novo concerto' é mencionado pelo escritor aos Hebreus, 8.8-12.
O judeu convertido à fé cristã que quiser guardar o sábado por convicção religiosa pessoal não está desviado por isso, pois o apóstolo Paulo diz que uns fazem separação de dia, outros acham que podem comer de tudo. Veja Romanos 14.1-6. Convém lembrar que o apóstolo está falando aos judeus cristãos de Roma, por causa da sua cultura religiosa, e não aos gentios.
Ainda hoje muitos deles usam kipar e talit (solidéo e manto), observam o kash'rut (leis dietéticas prescritas por Moisés) e guardam o sábado. Isso o fazem meramente para não perderem sua identidade nacional, é uma questão cultural e não condição para salvação. Isso é diferente dos gentios convertidos a Cristo, pois o apóstolo deixou claro que tais práticas são um retrocesso espiritual: 'Guardais dias, e meses e tempos, e anos. Receio de vós que haja trabalhado em vão para convosco'" (Gl 4.10,11)" (SOARES, Esequias. Manual de Apologética Cristã. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2002, pp.293-94).
Os quatro evangelhos registram os conflitos entre Jesus e os fariseus sobre a interpretação do sábado.

IV. UM PRECEITO CERIMONIAL
1. O sacerdote no Templo. O Senhor Jesus Cristo disse mais de uma vez que a guarda do sábado é um preceito cerimonial. Ele colocou o quarto mandamento na mesma categoria dos pães da proposição (Mt 12.2-4). Veja ainda a que Jesus se referia quando falou a respeito desse ritual mencionado em Êxodo 29.33, Levítico 22.10 e 1 Samuel 21.6. Disse igualmente que "os sacerdotes no templo violam o sábado e ficam sem culpa" (Mt 12.5), ao passo que não existe concessão para preceitos morais.
2. A circuncisão no sábado. Se o oitavo dia da circuncisão do menino coincidir com um sábado, ela tem que ser feita no sábado, nem antes e nem depois. Assim, Jesus mais uma vez declara o quarto mandamento como preceito cerimonial e coloca a circuncisão acima do sábado (Jo 7.22,23 cf. Lv 12.3). Um mandamento moral é obrigatório por sua própria natureza.
SÍNTESE DO TÓPICO IV - Segundo Jesus Cristo, a guarda do sábado é um preceito cerimonial.

V. O SENHOR DO SÁBADO
1. O sábado e a tradição dos anciãos. Os quatro evangelhos registram os conflitos entre Jesus e os fariseus sobre a interpretação do sábado. A tradição dos anciãos criou 39 proibições concernentes ao sábado, mas o Senhor Jesus disse que é "lícito fazer bem no sábado" (Mt 12.12). Isso Ele fez (Mc 3.1-5; Lc 13.10-13; 14.1-6; Jo 5.8-18; 9.6,7,16) e, por isso, nós devemos fazer o bem, não importa qual seja o dia da semana.
2. Jesus é o Senhor do sábado (Mc 2.28). O sábado veio de Deus e somente Ele tem autoridade sobre essa instituição. Então, não há outro no universo investido de tamanha autoridade, senão o Filho de Deus. A expressão "o Filho do Homem", no singular, é título messiânico, não é usual ou comum às outras pessoas. Está claro que Jesus se referia a Ele mesmo. Jesus disse que os seres humanos não foram criados para observar o sábado, mas que o sábado foi criado para o benefício deles (Mc 2.27).
3. Dia do culto cristão. O primeiro culto cristão aconteceu no domingo e da mesma forma o segundo (Jo 20.19,26). Nesse dia o Senhor Jesus ressuscitou dentre os mortos (Mc 16.16). O dia do Senhor foi instituído como o dia de culto, sem decreto e norma legal, pelos primeiros cristãos desde os tempos apostólicos (At 20.7; 1 Co 16.2; Ap 1.10). É o "sábado" cristão! O sábado legal e todo o sistema mosaico foram encravados na cruz (Cl 2.16,17), foram revogados e anulados (2 Co 3.7-11; Hb 8.13). O Senhor Jesus cumpriu a lei (Mt 5.17,18), agora vivemos sob a graça (Jo 1.17; Rm 6.14).

SÍNTESE DO TÓPICO V - Em o Novo Testamento, Jesus é o Senhor do sábado e somente Ele tem autoridade sobre esta instituição.

SUBSÍDIO APOLOGÉTICO
“A palavra ‘domingo’, por si só, significa ‘Dia do Senhor’, pois, foi nesse dia que o Senhor Jesus ressuscitou. O primeiro culto cristão aconteceu num domingo: ‘Chegada, pois, a tarde daquele dia, o primeiro da semana, e cerradas as portas onde os discípulos, com medo dos judeus, se tinham ajuntado, chegou Jesus, e pôs-se no meio, e disse-lhes: Paz seja convosco!’ (Jo 20.19). O segundo culto também, pois a Bíblia diz que isso aconteceu ‘oito dias depois’ (Jo 20.26). Os cristãos se reuniam no primeiro dia da semana: ‘No primeiro dia da semana, ajuntando os discípulos para partir o pão, Paulo, que havia de partir no dia seguinte [...]’ (At 20.7). O mesmo pode ser visto em Corinto, quando o apóstolo manda levantar coletas para os irmãos pobres de Jerusalém. O texto sagrado diz que essa reunião de adoração se fazia nos domingos: ‘No primeiro dia da semana, cada um de vós ponha de parte o que puder ajuntar [...]’ (1 Co 16.2). Assim, essa prática foi se tornando comum, sem decreto e sem imposição. Foi algo espontâneo. Constantino apenas confirmou uma prática já antiga dos cristãos. [...] O Decálogo fala sábado e isso acontece também em muitos lugares do Velho Testamento, mas o domingo não. Mas na Nova Aliança não há mandamento algum de guardar dias. Dizem que o ‘domingo’ é um dia pagão, porque em inglês Sunday significa ‘dia do Sol’. Nesse caso, todos os demais dias também seriam pagãos, porque os dias da semana, em inglês, são de origem céltica e homenageiam antigas divindades, inclusive o sábado, que é Saturday, ‘dia de Saturno’” (SOARES, Esequias. Manual de Apologética Cristã. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2002, pp.294-95).
Os cristãos se reuniam no primeiro dia da semana. Constantino apenas confirmou uma prática já antiga dos cristãos.

CONCLUSÃO - palavra profética anunciava o fim do sábado legal (Jr 31.31-33; Os 2.11). Isso se cumpriu com a chegada do novo concerto (Hb 8.8-12). Exigir a guarda do sábado como condição para a salvação não é cristianismo e caracteriza-se como doutrina de uma seita.

PARA REFLETIR
Sobre o Sábado: Quando Deus descansou no sétimo dia, Ele parou de trabalhar?
Não. A palavra usada na língua hebraica para "descansar" é o sinônimo de "terminar", "encerrar" e "concluir uma tarefa". A ideia, aqui, é a de que Deus concluiu a criação, parou de criar, e não a de ficar ocioso. O Senhor Jesus disse que o Pai "trabalha até agora" (Jo 5.17).
O sábado institucional resgata a ordem natural das coisas. Explique.
Significa que a instituição do sábado trouxe ao ser humano a ideia de que o campo precisa de descanso, as máquinas precisam parar para a manutenção, os animais também precisam descansar e assim por diante (Lv 25.4).
É pecado trabalhar no domingo, o dia do Senhor?
Não. Vivemos na perspectiva da graça. Isso, porém, não quer dizer que não se deve considerar a importância do domingo como o dia do Senhor. O nosso Senhor ressuscitou num domingo. A igreja do Novo Testamento reunia-se no domingo, o primeiro dia da semana, para comer o pão, beber o suco da vide e terem comunhão uns com os outros (Mc 16.16; At 20.7; 1 Co 16.2; Ap 1.10)
Quem não guardar o sábado pode perder a salvação?
De maneira nenhuma! A salvação é pela graça de Deus (Ef 2.8-10).
Por que o domingo é "o dia do Senhor" para os cristãos?
Porque Jesus ressuscitou no domingo e a Igreja do Novo Testamento se reunia aos domingos.

VOCABULÁRIO
Céltico: Relativo a celta, isto é, povos indo-europeus da Antiguidade que, no segundo e primeiro milênios antes de Cristo, habitavam um território que ia desde a Turquia central até as ilhas Britânicas.

CONSULTE
Revista Ensinador Cristão - CPAD, nº 61, p.39.
Você encontrará mais subsídios para enriquecer a lição. São artigos que buscam expandir certos assuntos.

SUGESTÃO DE LEITURA
As Sete Leis do Ensino - Este livro responde a importantes questões relacionadas ao ensino das Escrituras. Um verdadeiro compêndio de didática aplicada, destinado a auxiliar os professores e líderes no sentido de obterem resultados mais efetivos em sua atuação.
Pequena Enciclopédia Bíblica - Esta obra é um clássico da literatura evangélica brasileira. É considerada como uma das mais populares obras de referência. Indicada para estudantes, pregadores, ministros da Palavra e para todos que desejam um excelente recurso para seu estudo bíblico.
Guia do Leitor da Bíblia - Este livro apresenta a introdução e o esboço de cada livro da Bíblia. Um livro que auxiliará tanto iniciantes como veteranos e estudiosos da Bíblia a encontrar os tesouros mais ricos das Escrituras Sagradas. Um passeio panorâmico pela Bíblia toda.
Revista eletrônica – CPAD

"Ao único Deus sábio, Salvador nosso, seja glória e majestade, domínio e poder, agora, e para todo o sempre." (Jd 1:25.) 


Prof-Abdias Barreto
CAPP - Centro Apologético Plenitude da Palavra.
#Abdiasbarreto #PlenitudedaPalavra #VerdadeBíblica #CentroApologetico


E-mail: abdiasbarreto@gmail.com 
Cel - 85.8857-5757. — em Fortaleza-Ce.

PLANO DE AULA

A Educação e ensino exige: Plano, organização e coerência
Alguém já disse que “Prever é a melhor garantia para bem governar o curso futuro dos acontecimentos”; “O plano de ação é o instrumento mais eficaz para o sucesso de um empreendimento.” “Prever é agir”. É o primeiro passo obrigatório de toda ação construtiva e inteligente. Pelo planejamento, o homem evita ser vencido pelas circunstâncias, e aprende a aproveitar as novas oportunidades. O planejamento é imprescindível em qualquer atividade humana, especialmente no que diz respeito à educação. Nesta área, ele se concretiza num programa de ação que constitui um roteiro seguro para conduzir progressivamente os alunos aos resultados desejados. A responsabilidade do mestre é imensa. Grande parte da eficácia de seu ensino depende da organicidade, coerência e flexibilidade de seu planejamento.
I. Característica de um bom planejamento de ensino
1. Unidade. No planejamento, é fundamental fazer convergir todas as atividades para a conquista dos objetivos visados; eles são a garantia de unidade da operação docente.
2. Continuidade. Sem planejar o professor corre o risco de perder o fio da meada, dispersando-se e valorizando pontos secundários em detrimento de pontos prioritários da matéria. O professor precisa prever todas as etapas do trabalho em pauta, desde a inicial até a final.
3. Flexibilidade. Se durante a execução do planejamento, o professor perceber a impossibilidade de cumpri-lo em razão de um imprevisto qualquer, poderá alterá-lo sem problema, desde que não se distancie dos principais objetivos.
4. Objetividade e realismo. O plano deve ser objetivo e estar baseado nas condições reais e imediatas de local, tempo, recursos, capacidade e preparo de seus alunos.
5. Precisão e clareza. É preciso caprichar nos enunciados do planejamento. O estilo deve ser sóbrio, claro, preciso, com indicações bem exatas e sugestões bem concretas para o trabalho a ser realizado.
II. Etapas do planejamento de ensino
1. Conhecimento da realidade. Para planejar adequadamente a tarefa de ensino e atender às necessidades do aluno, é preciso, antes de qualquer coisa, saber para quem se vai planejar. Por isso, conhecer o aluno e seu ambiente é a primeira etapa do processo de planejamento. É preciso saber quais são suas aspirações, frustrações, necessidades e possibilidades. Este trabalho é conhecido como sondagem, isto é, uma coleta de dados importantes para um perfeito diagnóstico. Uma vez realizada a sondagem e o diagnóstico, deve o professor estudar cuidadosamente todas as informações reunidas a fim de elaborar com segurança sua estratégia de trabalho. Sem a sondagem e o diagnóstico corre-se o risco de propor o que é impossível, ou o que não interessa.
2. Elaboração do plano. A partir dos dados fornecidos pela sondagem e interpretados pelo diagnóstico, temos condições de estabelecer o que é possível alcançar, como fazer para alcançar o que julgamos possível e como avaliar os resultados. O planejamento poderá ser elaborado a partir dos seguintes passos:
a) Determinação dos objetivos.
b) Seleção e organização dos conteúdos.
c) Seleção e organização dos procedimentos de ensino.
d) Seleção de recursos.
e) Seleção de procedimentos de avaliação.
f) Estruturação do plano de ensino.
3. Execução do plano. Ao elaborarmos um planejamento, antecipamos, de forma organizada, todas as etapas do trabalho de ensino. A execução do plano consiste no desenvolvimento das atividades previstas. Na execução, sempre haverá o elemento não plenamente previsto. Às vezes, a reação dos alunos ou as circunstâncias do ambiente exigirão adaptações no plano. Isto é normal e não invalida o planejamento.
4. Avaliação e aperfeiçoamento do plano. Ao executar o que foi planejado, necessita o professor avaliar o próprio plano com vistas ao replanejamento. Nesta fase, a avaliação adquire um sentido diferente da verificação do ensino- -aprendizagem e um significado mais amplo. Isso porque, além de medir os resultados do ensino-aprendizagem, procuramos avaliar a qualidade do nosso plano, nossa efi ciência como professores e, a eficiência do currículo.
III. Como elaborar um plano de aula
1. O que é um plano de aula? O plano de aula é um instrumento de trabalho que especifica os comportamentos esperados do aluno, os conteúdos, os recursos didáticos e os procedimentos que serão utilizados para sua realização. O plano de aula busca sistematizar todas as atividades que se desenvolvem no período de tempo em que o professor e aluno interagem, numa dinâmica de ensino-aprendizagem.
2. A importância do plano de aula. É de estarrecer o que ouvimos nos “bastidores” da Educação Cristã quando o assunto é planejamento: “O que? Planejar aulas? Que nada! É só ler a lição e reproduzir o comentário com outras palavras.” Este é o retrato do famigerado e nocivo comodismo. Para alguns professores, o plano de aula consiste em observar três etapas: introdução, desenvolvimento e conclusão. Infelizmente, para outros, sequer isto tem importância. Como se costuma dizer, suas aulas são “sem pé nem cabeça”.
3. Antes de planejar sua aula, o professor deve refletir sobre as seguintes questões:
a) O que pretendo alcançar?
Quais são meus objetivos para esta aula específica? Que tipo de comportamento espero observar em meus alunos após esta aula? Será que após a aula terão eles capacidade para escrever, dissertar, responder, debater?
b) Como alcançar? Qual estratégia de trabalho usarei para alcançar meus objetivos? Quais os métodos mais apropriados?
c) Em quanto tempo? Em que prazo executarei as diversas fases do trabalho letivo? Quanto tempo gastarei na introdução da aula? E no desenvolvimento? E na conclusão?
d) O que fazer e como fazer?
Qual a melhor maneira de introduzir esta aula? Como posso transmitir o conteúdo desta lição de maneira atraente e interessante?
Que tipo de aplicação?
Qual procedimento e recurso?
e) Como avaliar o que foi alcançado? Qual instrumento de avaliação utilizará? Em que período do processo de ensino deverá avaliar?
4. Após refletir sobre as questões acima, precisa o professor executar os seguintes passos:
a) Identificar o tema da aula.
O primeiro passo é indicar o tema central da aula. Exemplo: Tema da aula: “A Biblioteca Divina” – Textos-chaves: Sl 119.103,105; 1 Pe 2.2.
b) Estabelecer os objetivos. .
Exemplo: Ao final da aula o aluno será capaz de: Identificar as principais divisões da Bíblia.
Distinguir os livros do Antigo e Novo Testamentos e classificá-los.
c) Indicar o conteúdo da matéria de ensino. Em relação ao ensino na Escola Dominical, os conteúdos didáticos são partes integrantes dos comentários das revistas de cada faixa etária. Como o conteúdo deve ser apresentado no plano? Ele deve ser apresentado em forma de esquemas que facilitem o seu desenvolvimento, pois o plano não deve ter textos extensos a serem lidos durante a aula. O professor não deve contentar-se com os esquemas apresentados nas revistas-didáticas, mas, a partir deles, elaborar outro mais rico e mais completo, baseado em suas próprias pesquisas. Os dados essenciais do conteúdo deverão ser distribuídos no plano de forma ordenada, ressaltando sua concatenação e subordinação.
d) Estabelecer os procedimentos de ensino. É preciso estabelecer as formas de utilizar o conteúdo selecionado para atingir os objetivos propostos. Sua aula será somente expositiva ou você precisa utilizar outros métodos?
e) Escolher os recursos didáticos.
De que forma seus alunos serão estimulados à aprendizagem?
Utilizará recursos humanos ou materiais? Quais recursos dispõe sua ED? Em que momento da aula pretende utilizar cada recurso previsto?
f) Escolher o instrumento de avaliação. Finalmente, o planejamento da aula deve prever como será feita a avaliação. Não é conveniente propor ao aluno apenas questões que avaliem se ele memorizou ou não alguns conceitos ou definições. Por exemplo: “Quais são os livros históricos da Bíblia?” O ideal é que os alunos manifestem comportamentos que demonstrem claramente sua aprendizagem. Exemplo: Peça ao aluno para localizar em sua Bíblia um dos livros históricos. Relacione no quadro-de-giz vários livros da Bíblia e peça ao aluno que identifique os que pertencem ao Pentateuco. Como podemos observar, ao elaborar o plano de aula, deverá o professor programar todas as suas atividades, isto é, ordená-las e dispô-las em fases sucessivas e bem calculadas.
O plano de aula racionaliza as atividades do professor e do aluno, possibilitando melhores resultados e maior produtividade do ensino.
 Pastor Marcos Tuler


 "Ao único Deus sábio, Salvador nosso, seja glória e majestade, domínio e poder, agora, e para todo o sempre." (Jd 1:25.) 

https://www.facebook.com/centro.apologetico 
E-mail: abdiasbarreto@gmail.com 
Cel - 85.8857-5757. — em Fortaleza-Ce.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...