Relogio Com Comentario

VERSÍCULO DO DIA

quarta-feira, 4 de julho de 2018

A VERDADEIRA IGREJA DE JESUS CRISTO


Resultado de imagem para Igreja

A VERDADEIRA IGREJA DE CRISTO
A Igreja verdadeira é uma produção divina constituída somente por salvos, ou seja, por todo aquele que ao ouvir a genuína pregação do Evangelho bíblico, é convencido a arrepender-se sinceramente, de uma vez por todas, de todos os seus pecados e a romper definitivamente com o mundo, e através da percepção espiritual de que está irremediavelmente perdido, colocar incondicionalmente toda a sua fé em Jesus Cristo e em sua obra vicária, perfeita e final, na cruz do Calvário, sendo isto a regeneração espiritual, que imediatamente o coloca, por uma obra soberana e sobrenatural do Espírito Santo, em uma união vital, única e eterna com Cristo e seu corpo místico e espiritual - a Igreja (1Co 12.12-13), a sua Noiva (2Co 11.2; Ef5.23-32; Ap 19.7-8), o Corpo do qual é a Cabeça (Ef 1.22; 4.15; Cl 1.18).


"Ao único Deus sábio, Salvador nosso, seja glória e majestade, domínio e poder, agora, e para todo o sempre." (Jd 1:25.) 
https://www.facebook.com/centro.apologetico 
E-mail: abdiasbarreto@gmail.com 
Whats-App - 85.98857-5757. 
Cel - 85.99905-5757. 
Prof. Abdias Barreto.

O QUE A BÍBLIA ENSINA SOBRE O CEU

O QUE A BÍBLIA ENSINA SOBRE O CÉU?
Como é o Céu?

Resultado de imagem para ARREBATAMENTOA Bíblia ensina que o Céu é o lugar onde Deus habita, com os anjos. É o destino final de todos que amam a Deus. É impossível imaginar como é o Céu, porque é tão maravilhoso.Como é o Céu?
O Céu é um lugar além do nosso mundo, onde Deus reina. Não é o céu azul acima de nossas cabeças nem o espaço, onde ficam as estrelas. É uma dimensão espiritual, onde o espírito reina. Lá teremos corpos espirituais, perfeitos e incorruptíveis (1 Coríntios 15:42-44).
A Bíblia diz que ninguém viu o que Deus tem preparado para aqueles que O amam (1 Coríntios 2:9). Por isso, não dá para descrever a maravilha que será o Céu. Mas a Bíblia nos dá uma idéia de como será. Jesus descreveu o Céu como uma grande festa, com muitas pessoas felizes e unidas!
No Céu não haverá mais tristeza nem sofrimento, porque o pecado não entra lá. É um lugar de grande alegria, sem morte nem medo (Apocalipse 21:4). A Bíblia diz que o Céu é infinitamente melhor que tudo o que imaginamos! Nosso mundo é apenas uma sombra muito vaga da glória do Céu.
O Céu é tão maravilhoso porque Deus está presente. Sua glória ilumina tudo. Lá poderemos vê-Lo face a face e estaremos sempre na Sua presença (Apocalipse 22:4-5).

Quem vai para o Céu?
Todos que amam a Deus e aceitaram Jesus como seu salvador vão para o Céu. Deus nos ama e quer que todos vão para o Céu, para estar com Ele para sempre. Mas o pecado nos separou de Deus. Por isso, Deus enviou Jesus para pagar o preço pelo pecado na cruz, para podermos ficar juntos com Ele. Quem acredita nisso e convida Jesus a ser seu salvador irá para o Céu (Filipenses 3:20).
Quem aceitou Jesus como salvador não precisa ficar preocupando se vai conseguir entrar no Céu. O Céu está garantido. Essa é a nossa grande esperança, temos uma casa no Céu, uma eternidade com Deus (João 14:2-3).


"Ao único Deus sábio, Salvador nosso, seja glória e majestade, domínio e poder, agora, e para todo o sempre." (Jd 1:25.) 
 https://www.facebook.com/centro.apologetico 
 E-mail: abdiasbarreto@gmail.com 
 Whats-App - 85.98857-5757. Cel - 85.99905-5757. 
 Prof. Abdias Barreto.

quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

AS VESTIMENTAS DO SACERDOTE

VESTES SACERDOTAIS
A veste sacerdotal era muito diferente da veste do judeu comum. Além do mais, a vestimenta do sumo sacerdote diferia daquela do sacerdote comum.

A. Calções. Entre os hebreus, só os sacerdotes usavam calções. Em alguns países vizinhos, tanto os calções como as calças eram usados pelos homens comuns.
Os judeus usavam linho fino para fazer esta vestimenta sacerdotal. Evidentemente, servia como roupa de baixo de sorte que o sacerdote não ficasse exposto quando subia os degraus do templo para ministrar no altar (Êxodo 28:42-43). Esta vestimenta de baixo cobria o corpo do sacerdote desde a cintura até aos joelhos. Em vez de calças, os "calções" provavelmente eram um avental duplo. Outras referências a calções encontram-se em Êxodo 39:28; Levítico 6:10; 16:4; e! Ezequiel 44:18.

B. Sobrepeliz ou manto. Os sacerdotes usavam também mantos de linho fino durante o serviço no templo. Essas vestimentas vinham do tecelão que fazia a peça inteiriça. Eram presas à cintura por um cinto decorado com trabalho de agulha (Êxodo 38:31-34). A vestimenta de Jesus era também um manto sem costura, simbolicamente mostrando seu sacerdócio universal (João 19:23; Hebreus 4:14-15). O manto ou ] túnica do sacerdote chegava quase a cobrir os pés e era tecido num] formato de losango ou xadrez.
C. Tiara. O sacerdote comum usava uma tiara. Esta peça era feita 3 de linho fino (Êxodo 39:28). A palavra hebraica (migbaoth), da qual sei traduziu tiara, significa "ser sublime".
D. Calçado. Durante o culto, os sacerdotes ficavam descalços. Antes de entrarem no tabernáculo, deviam lavar as mãos e os pés "Pôs a bacia entre a tenda da congregação e o altar, e a encheu água, para se lavar. Nela Moisés, Arão e seus filhos lavavam as mãos e os pés" (Êxodo 40:30-31). A área na qual os sacerdotes ficavam era considerada solo sagrado, como foi no caso de Moisés e a sarça ardente (Êxodo 3:5).
E. Cuidado do cabelo. Vemos, em Levítico 21:5, que a calvície desqualificava um homem para o exercício do sacerdócio. Não permitido ao sacerdote rapar a cabeça ou rasgar as suas vestes mesmo para chorar a morte do pai ou da mãe (Levítico 21:10-11).
VESTES DO SUMO SACERDOTE
Um dos característicos que separavam o sumo sacerdote do sacerdote comum era o espargir de suas vestes com o óleo da unção (Êxodo 28:41; 29:21). Quando o sumo sacerdote falecia suas vestes passavam ao seu sucessor.
As vestimentas do sumo sacerdote compunham-se de sete peças ― a estola, a sobrepeliz, o peitoral, a mitra, a túnica bordada, o cinto e os calções (Êxodo 28:4, 42).

Fabricação de roupas. A roupa usada pelos hebreus servia como símbolo externo dos sentimentos e desejos íntimos do indivíduo. As ocasiões festivas e alegres pediam cores vivas, enquanto a pessoa enlutada vestia pano de saco, o mais pobre tipo de vestimenta. As famílias israelitas faziam a maior parte de sua própria roupa. Nesta cena doméstica, o pai está fazendo sandálias de couro enquanto a mãe costura uma túnica do material que ela teceu.
A. Estola. As vestes do sumo sacerdote eram feitas de linho simples (1 Samuel 2:18; 2 Samuel 6:14), como o eram as vestes de todos os sacerdotes. A estola, porém, era feita de "ouro, estofo azul, púrpura, carmesim e linho fino retorcido" (Êxodo 28:6). Isto indica que ela era uma mistura de lã e linho, visto que o linho só podia ser tingido de azul. A "obra esmerada" significa algum tipo de bordado.
A estola dividia-se em duas partes. Uma parte cobria as costas e a outra o peito do usuário. A vestimenta era presa nos ombros por uma grande pedra de ônix.
O cinto da estola era feito de estofo azul, púrpura e carmesim entretecido com fio de ouro (Êxodo 28:8).

B. Sobrepeliz da estola. A sobrepeliz da estola era de material inferior ao da estola, tingida de azul (Êxodo 39:22). Era usada sob a estola e mais comprida do que esta. A sobrepeliz não tinha mangas, A penas aberturas nos lados para os braços.
A orla desta vestimenta tinha uma franja de romãs de estofo azul, púrpura e carmesim, com uma campainha de outro entre uma romã e outra. Essas campainhas eram presas à orla da sobrepeliz do sumo sacerdote para que se pudesse ouvir quando ele entrava no lugar santo ou de lá saía (Êxodo 28:32-35).

C. Peitoral. O peitoral do sumo sacerdote acha-se descrito com pormenores em Êxodo 28:15-30. Era uma peça de material bordado, com cerca de 25 cm de lado, quadrado e duplo formando um saco ou bolsa.
Esta vestimenta sacerdotal era adornada com doze pedras preciosas, cada uma delas trazendo o nome de uma das doze tribos de Israel (Êxodo 28:17-21). Os dois cantos inferiores eram presos ao cinto. Os anéis, as cadeias e outros prendedores eram de ouro ou de cordão de fina qualidade.
O peitoral e a estola eram chamados de "memória" (Êxodo 28:12, 29), porque lembravam ao sacerdote seu relacionamento com as doze tribos de Israel. Também era chamado "peitoral do juízo" (Êxodo 28:15), talvez porque fosse usado pelo sacerdote, que era porta-voz da justiça e juízo de Deus à nação judaica. Também pode ter sido assim; chamado porque ele provia um receptáculo para o urim e o tumim, os oráculos sagrados que mostravam os juízos de Deus sobre os homens (cf. Números 26:55; Josué 7:14; 14:2; 1 Samuel 14:42).

D. Mitra. A mitra, ou turbante superior, era o ornato oficial para a cabeça do sumo sacerdote (Êxodo 28:39). Era feita de linho fino, tinha muitas dobras, e seu comprimento total era de cerca de 7,3 m.
Este pano comprido era enrolado em torno da cabeça na forma turbante. Na frente da mitra estava uma lâmina de ouro com as palavras hebraicas "Santidade ao Senhor" (Êxodo 28:36-43; 39:28, 30).

E. Túnica bordada, cinto e calções. Esta túnica especial era de orla comprida, feita de linho, e bordada com um desenho como se nela houvessem pedras (Êxodo 28:4). Os sacerdotes comuns também usavam esta vestimenta.
O cinto das vestes do sumo sacerdote era enrolado em torno corpo diversas vezes, desde o peito em sentido descendente, pontas do cinto pendiam até aos tornozelos (Êxodo 29:5). Sob vestes sacerdotais, o sumo sacerdote usava o mesmo tipo de calções que o sacerdote comum.

Obs. Túnica. A túnica era um manto exterior com mangas. O cinto ― às vezes ornamentado com metais preciosos, pedras ou bordado ― prendia esta vestimenta ao corpo
Fonte: PACKER, James. TENNEY, Merrill. WHITE, William. Vida Cotidiana Nos Tempos Bíblicos. Editora Vida. São Paulo, Brasil.


"Ao único Deus sábio, Salvador nosso, seja glória e majestade, domínio e poder, agora, e para todo o sempre." (Jd 1:25.) 
 https://www.facebook.com/centro.apologetico 
 E-mail: abdiasbarreto@gmail.com 
 Whats-App - 85.98857-5757. 
 Cel - 85.99905-5757. 
 Prof. Abdias Barreto.

sábado, 20 de janeiro de 2018

REQUISITOS PARA O DIACONATO

TEOLOGIA PRATICA (Administração Eclesiástica) D I Á C O N O N A T O.


REQUISITOS BÁSICOS PARA O OFICIO DE DIÁCONO

1. SER VOCACIONADO: O que faz válido um oficio de diácono é a vocação, de modo que ninguém pode executá-lo correta e ordenadamente sem haver sido chamado antes por Deus. A eleição do diácono é uma evidência de que Deus vocacionou aquele irmão para este oficio.
2.SER DISCÍPULO DE JESUS CRISTO: Os diáconos eleitos pela igreja são escolhidos entre os discípulos de Jesus Cristo (Atos 6:1,3).
3. TER BOA REPUTAÇÃO: O diácono precisa e teve ter o reconhecimento perante a igreja e a sociedade de uma vida digna (Atos 6:3).
4. SER CHEIO DO ESPÍRITO SANTO DE DEUS: Como todo o bom cristão, o diácono precisa e necessita ser cheio do Espírito Santo, para desempenha as suas atividades dignamente, demonstrando alegria, paz, amor longanimidade e mansidão ect...
5. SER UM CRISTÃO RESPEITÁVEL: O diácono deve ter um procedimento sério, digno de todo respeito e admiração por parte de todos na igreja.
6.SER CHEIO DE SABEDORIA: Sabedoria concedida pelo Espírito Santo para saberem como resolver os problemas que existem e os que vão surgi.
7. TER UMA SÓ PALAVRA: Não deve ser um difamador ou mexeriqueiro, não deve ser alguém que pense uma coisa e diga outra totalmente diferente, não deve ser uma pessoa que diz uma coisa para pessoa e algo diferente para outra.
8. DEVE CONSERVAR O MINISTÉRIO DA FÉ COM A CONSCIÊNCIA LIMPA: O diácono deve conservar-se firme na revelação graciosa de Deus, com a consciência pura, sem contaminações intelectuais, espirituais e morais (II Tm 3:9).
9. NÃO COBIÇOSOS DE SÓRDIDA GANÂNCIA: O diácono não pode ser alguém que lucra desonestamente. O lucro em si não é pecaminoso, contudo ele pode ser torna vergonhoso se sua obtenção passa a ser o nosso objetivo primário, em detrimento da glória de Deus.
10.SEJAM PRIMEIRAMENTE EXPERIMENTADOS: A conduta do diácono deve ser tão boa que ninguém tenha do que o acusar. Este reconhecimento deve ser por parte da igreja e também da sociedade. Também sejam estes primeiramente experimentados; e, se (eles) se mostrarem irrepreensíveis, que exerçam o diaconato (I Tm 3:10).

"Ao único Deus sábio, Salvador nosso, seja glória e majestade, domínio e poder, agora, e para todo o sempre." (Jd 1:25.) 
 https://www.facebook.com/centro.apologetico 
 E-mail: abdiasbarreto@gmail.com 
 Whats-App - 85.98857-5757. 
 Cel - 85.99905-5757. 
 Prof. Abdias Barreto.

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

LIÇÃO 11 - A SEGUNDA VINDA DE CRISTO 3º TRIMESTRE 2017

EBD LIÇÃO 11 - A segunda Vinda de Cristo - 3ºTrim 2017.
NÃO FALTE DOMINGO AS 9hs DA MANHÃ NA SUA IGREJA
#Abdiasbarreto #HeresiasNão #AlunosEBD #CentroApologetico
INTRODUÇÃO
A Bíblia mostra a segunda vinda de Cristo em duas fases: a primeira é o arrebatamento da Igreja, e a segunda é a sua vinda em glória. Entre esses dois eventos, haverá na terra a Grande Tribulação, o julgamento divino sobre todos os moradores do mundo e no céu o Tribunal de Cristo seguido das bodas do Cordeiro. O nosso enfoque aqui é a fundamentação bíblica desses eventos. Mas o tema escatológico não se esgota com o que trataremos e a sua continuação se dará na próxima lição.
Comentário:
A Segunda vinda de Jesus Cristo é a esperança dos crentes de que Deus está em controle sobre todas as coisas e é fiel às promessas e profecias em Sua Palavra. É tão certa como foi a sua primeira vinda. As profecias bíblicas sobre o nascimento, morte, ressurreição e ascensão de Jesus se cumpriram literalmente no tempo determinado por Deus. Existem mais de 300 referências proféticas só no Novo Testamento sobre a segunda vinda. É a Palavra inerrante, infalível do Deus que não pode mentir que certifica a realidade da segunda vinda de Cristo. O Arrebatamento e a Segunda Vinda de Cristo são frequentemente confundidos. É difícil determinar quando a Bíblia está se referindo ao Arrebatamento ou à Segunda Vinda. No entanto, ao estudar as profecias bíblicas do fim dos tempos, é muito importante poder diferenciar entre os dois. O Arrebatamento é quando Jesus Cristo retorna para remover a igreja (todos os seguidores de Cristo; Há quem creia que somente os batizados com o Espírito Santo subirão, não há amparo bíblico para isso.) da terra. O Arrebatamento é descrito em 1 Tessalonicenses 4.13-18 e 1 Coríntios 15.50-54. Os crentes que já morreram serão ressuscitados e, juntamente com os crentes que ainda vivem, vão se encontrar com o Senhor no ar. Isso acontecerá em um momento, em um piscar do olho. A Segunda Vinda é quando Jesus retorna para derrotar o anticristo, destruir o mal e estabelecer o seu Reino Milenar. A Segunda Vinda é descrita em Apocalipse 19.11-16. É importante salientar que existem três escolas distintas de interpretação a respeito do arrebatamento da Igreja. Elas abrem espaço para entendermos como e quando ocorrerá esse grandioso evento.
1. Pós-tribulacionistas.
Essa escola interpreta que a Igreja remida por Cristo passará pela Grande Tribulação.
2. Midi-tribulacionistas.
Ensina que a Igreja entrará no período da Grande Tribulação até a sua metade. Seus intérpretes se baseiam numa interpretação isolada de Dn 9.27, cujo texto fala que depois do opressor firmar um concerto com Israel por uma semana, “na metade da semana, fará cessar o sacrifício e a oferta de manjares”.
3. Pré-tribulacionistas. Podemos começar entendendo essa escola de interpretação com as palavras de Paulo aos tessalonicenses, quando escreveu: “Porque Deus não nos destinou para a ira, mas para a aquisição da salvação, por nosso Senhor Jesus Cristo”, 1Ts 5.9. Ensina que o arrebatamento da Igreja ocorrerá antes que se inicie o período da Grande Tribulação. É uma interpretação que honra as Sagradas Escrituras e ajusta-se devidamente à esperança cristã da volta do Senhor nos ares.] Dito isto, vamos pensar maduramente a fé cristã?
PONTO CENTRAL - A segunda vinda de Cristo se dará em duas fases: o arrebatamento e a vinda.
l - OS EVENTOS DO PORVIR
1- FONTE DE PREDIÇÃO. Não há outra fonte de predições verdadeiras a não ser. Bíblia Sagrada, por meio da qual Deus nos diz tudo o que precisamos saber sobre os eventos do porvir. Ela é a única fonte confiável. Esses eventos são uma série de acontecimentos do epílogo da história humana que envolve o arrebatamento da Igreja (1 Ts 4.16,17), a vinda de Jesus em glória (Mt 24.30; Ap 1.7), o juízo de Deus sobre a terra no fim dos tempos (Mt 24.21), o futuro glorioso de Israel (Is 2.2,3) e o reino milenar de Cristo (Is 9.7; 11.10). São acontecimentos anunciados desde o princípio do mundo, desde Enoque (Jd 14) até o apóstolo João, o último dos apóstolos, no livro de Apocalipse.
Comentário:
Os Profetas do Antigo Testamento não fizeram distinção entre as duas vindas. Podemos ver isto em Escrituras como Isaías 7.14; 9.6-7 e Zacarias 14.4. Como resultado das profecias aparentemente falarem em dois indivíduos, muitos estudiosos judeus acreditaram que haveria tanto um Messias sofredor quanto um Messias conquistador. O que falharam em compreender é que o mesmo Messias cumpriria os dois papéis. Jesus cumpriu o papel do servo sofredor (Isaías capítulo 53) em Sua Primeira Vinda. Jesus cumprirá o papel do Libertador e Rei de Israel em Sua Segunda Vinda. Zacarias 12.10 e Apocalipse 1.7, descrevendo a Segunda Vinda, recordam Jesus sendo transpassado. Israel e o mundo inteiro se lamentarão por não terem aceitado o Messias em Sua Primeira Vinda. Após a ascensão de Jesus aos Céus, os anjos declararam aos apóstolos: “Homens galileus, por que estais olhando para o céu? Esse Jesus, que dentre vós foi recebido em cima no céu, há de vir assim como para o céu o vistes ir” (At 1.11). Zacarias 14.4 identifica a localização da Segunda Vinda como o Monte das Oliveiras. Mateus 24.30 declara: “Então aparecerá no céu o sinal do Filho do homem; e todas as tribos da terra se lamentarão, e verão o Filho do homem, vindo sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória.” Tito 2.13 descreve a Segunda Vinda como “o aparecimento da glória”. A Segunda Vinda é descrita em seus mínimos detalhes em Apocalipse 19.11-16: “E vi o céu aberto, e eis um cavalo branco; e o que estava assentado sobre ele chama-se Fiel e Verdadeiro; e julga e peleja com justiça. E os seus olhos eram como chama de fogo; e sobre a sua cabeça havia muitos diademas; e tinha um nome escrito, que ninguém sabia senão ele mesmo. E estava vestido de uma veste salpicada de sangue; e o nome pelo qual se chama é a Palavra de Deus. E seguiam-no os exércitos no céu em cavalos brancos, e vestidos de linho fino, branco e puro. E da sua boca saía uma aguda espada, para ferir com ela as nações; e ele as regerá com vara de ferro; e ele mesmo é o que pisa o lagar do vinho do furor e da ira do Deus Todo-Poderoso. E no manto e na sua coxa tem escrito este nome: REI DOS REIS, E SENHOR DOS SENHORES.” (1)]
(1) https://www.gotquestions.org/Portugues/segunda-vinda.html
2. O DESTINO DOS IMPERIOS MUNDIAIS. As profecias sobre os impérios antigos, como a queda da Babilônia para nunca mais se erguer no cenário mundial (Is 13.19,20) e ascensão e queda dos impérios medo-persa, grego e romano nos capítulos 7 e 8 de Daniel, entre outros profetas, se cumpriram, e a própria História confirma esses fatos. As profecias messiânicas se cumpriram com abundâncias de detalhes, como o nascimento do Messias de uma virgem, na cidade de Belém, seu julgamento diante de Pôncio Pilatos, sua morte, sua ressurreição e a ascensão ao céu, entre outros.
Comentário:
O cumprimento das profecias bíblicas na Antiguidade e ao longo da história é igualmente a garantia do cumprimento das coisas futuras. Os profetas anunciaram também de antemão o destino de Israel e dos grandes impérios da Antiguidade, como Assíria, Babilônia, Grécia, Roma; tais oráculos se cumpriram no passado e outros se cumprem na atualidade (2). O Antigo Testamento com certeza profetiza sobre a vinda de Jesus como o Messias. Quanto ao nascimento de Jesus - Isaías 7.14; 9.6; Miqueias 5.2. Quanto ao ministério e morte de Jesus - Zacarias 9.9; Salmo 22.16-18. A profecia das “setenta semanas” em Daniel capítulo 9 predisse a data exata em que Jesus, o Messias, seria “morto”. Isaías 50.6 descreve corretamente a surra que Jesus teria que aguentar. Zacarias 12.10 prediz que o Messias seria “traspassado”, o que ocorreu depois de Jesus ter morrido na cruz.] (2) A razão da nossa fé: Assim cremos, assim vivemos, Por Esequias Soares

3- SOBRE AS DIÁSPORAS JUDAICAS. As profecias apontam, de antemão, as duas dispersões do povo judeu e as suas respectivas restaurações. A primeira Diáspora (Jr 16.13) e seu retorno (Ed 1.1-3); a segunda Diáspora, anunciada pelo próprio Senhor Jesus Cristo: "E cairão a fio de espada e para todas as nações serão levados cativos; e Jerusalém será pisada pelos gentios, até que os tempos dos gentios se completem" (Lc 21.24), com o seu respectivo retorno depois de mais de 18 séculos à terra de seus antepassados, tal como fora anunciado pelos profetas do Antigo Testamento, como Jeremias (Jr 31.17), Ezequiel (Ez 11.17; 36.24; 37.21), Amos (Am 9.14,15) e Zacarias (Zc 8.7,8).
Comentário: 
A Bíblia anunciou de antemão a dispersão dos judeus, mas profetizou seu retorno à terra de seus antepassados. Depois de cerca de 1.800 anos na diáspora, os filhos de Istarel retornaram para sua terra, e em um só dia nasceu uma nação (Is 66.8). Essa Palavra diz respeito à fundação do Estado de Israel logo após a derrota do nazismo (3). Esta última Diáspora começou depois da destruição de Jerusalém pelos romanos, no ano 70 d.C. Houve outra revolta contra Roma, liderada por Simon bar Kokhba, que foi tido como o Messias judeu, de 132-136 d.C. O imperador romano Adriano desbaratou essa revolta, devastou Jerusalém totalmente e depois espalhou os judeus, no ano 135 d.C. Como resultado disso, todas as comunidades judaicas, com exceção de algumas poucas, viveram fora da terra de Israel até o início do moderno retorno à terra, que se deu nos anos 1880. Durante o tempo da Diáspora os judeus têm cumprido determinadas profecias relacionadas ao seu destino completo (4).]
(3) A razão da nossa fé: Assim cremos, assim vivemos, Por Esequias Soares
(4) http://www.chamada.com.br/mensagens/dispersao.html


EBD LIÇÃO 11 - A segunda Vinda de Cristo - 3ºTrim 2017.
NÃO FALTE DOMINGO AS 9hs DA MANHÃ NA SUA IGREJA

#Abdiasbarreto #HeresiasNão #AlunosEBD #CentroApologetico

A imagem pode conter: texto
INTRODUÇÃO
A Bíblia mostra a segunda vinda de Cristo em duas fases: a primeira é o arrebatamento da Igreja, e a segunda é a sua vinda em glória. Entre esses dois eventos, haverá na terra a Grande Tribulação, o julgamento divino sobre todos os moradores do mundo e no céu o Tribunal de Cristo seguido das bodas do Cordeiro. O nosso enfoque aqui é a fundamentação bíblica desses eventos. Mas o tema escatológico não se esgota com o que trataremos e a sua continuação se dará na próxima lição.
Comentário:
A Segunda vinda de Jesus Cristo é a esperança dos crentes de que Deus está em controle sobre todas as coisas e é fiel às promessas e profecias em Sua Palavra. É tão certa como foi a sua primeira vinda. As profecias bíblicas sobre o nascimento, morte, ressurreição e ascensão de Jesus se cumpriram literalmente no tempo determinado por Deus. Existem mais de 300 referências proféticas só no Novo Testamento sobre a segunda vinda. É a Palavra inerrante, infalível do Deus que não pode mentir que certifica a realidade da segunda vinda de Cristo. O Arrebatamento e a Segunda Vinda de Cristo são frequentemente confundidos. É difícil determinar quando a Bíblia está se referindo ao Arrebatamento ou à Segunda Vinda. No entanto, ao estudar as profecias bíblicas do fim dos tempos, é muito importante poder diferenciar entre os dois. O Arrebatamento é quando Jesus Cristo retorna para remover a igreja (todos os seguidores de Cristo; Há quem creia que somente os batizados com o Espírito Santo subirão, não há amparo bíblico para isso.) da terra. O Arrebatamento é descrito em 1 Tessalonicenses 4.13-18 e 1 Coríntios 15.50-54. Os crentes que já morreram serão ressuscitados e, juntamente com os crentes que ainda vivem, vão se encontrar com o Senhor no ar. Isso acontecerá em um momento, em um piscar do olho. A Segunda Vinda é quando Jesus retorna para derrotar o anticristo, destruir o mal e estabelecer o seu Reino Milenar. A Segunda Vinda é descrita em Apocalipse 19.11-16. É importante salientar que existem três escolas distintas de interpretação a respeito do arrebatamento da Igreja. Elas abrem espaço para entendermos como e quando ocorrerá esse grandioso evento.
1. Pós-tribulacionistas.
Essa escola interpreta que a Igreja remida por Cristo passará pela Grande Tribulação.
2. Midi-tribulacionistas.
Ensina que a Igreja entrará no período da Grande Tribulação até a sua metade. Seus intérpretes se baseiam numa interpretação isolada de Dn 9.27, cujo texto fala que depois do opressor firmar um concerto com Israel por uma semana, “na metade da semana, fará cessar o sacrifício e a oferta de manjares”.
3. Pré-tribulacionistas. Podemos começar entendendo essa escola de interpretação com as palavras de Paulo aos tessalonicenses, quando escreveu: “Porque Deus não nos destinou para a ira, mas para a aquisição da salvação, por nosso Senhor Jesus Cristo”, 1Ts 5.9. Ensina que o arrebatamento da Igreja ocorrerá antes que se inicie o período da Grande Tribulação. É uma interpretação que honra as Sagradas Escrituras e ajusta-se devidamente à esperança cristã da volta do Senhor nos ares.] Dito isto, vamos pensar maduramente a fé cristã?
PONTO CENTRAL - A segunda vinda de Cristo se dará em duas fases: o arrebatamento e a vinda.
l - OS EVENTOS DO PORVIR
1- FONTE DE PREDIÇÃO. Não há outra fonte de predições verdadeiras a não ser. Bíblia Sagrada, por meio da qual Deus nos diz tudo o que precisamos saber sobre os eventos do porvir. Ela é a única fonte confiável. Esses eventos são uma série de acontecimentos do epílogo da história humana que envolve o arrebatamento da Igreja (1 Ts 4.16,17), a vinda de Jesus em glória (Mt 24.30; Ap 1.7), o juízo de Deus sobre a terra no fim dos tempos (Mt 24.21), o futuro glorioso de Israel (Is 2.2,3) e o reino milenar de Cristo (Is 9.7; 11.10). São acontecimentos anunciados desde o princípio do mundo, desde Enoque (Jd 14) até o apóstolo João, o último dos apóstolos, no livro de Apocalipse.
Comentário:
Os Profetas do Antigo Testamento não fizeram distinção entre as duas vindas. Podemos ver isto em Escrituras como Isaías 7.14; 9.6-7 e Zacarias 14.4. Como resultado das profecias aparentemente falarem em dois indivíduos, muitos estudiosos judeus acreditaram que haveria tanto um Messias sofredor quanto um Messias conquistador. O que falharam em compreender é que o mesmo Messias cumpriria os dois papéis. Jesus cumpriu o papel do servo sofredor (Isaías capítulo 53) em Sua Primeira Vinda. Jesus cumprirá o papel do Libertador e Rei de Israel em Sua Segunda Vinda. Zacarias 12.10 e Apocalipse 1.7, descrevendo a Segunda Vinda, recordam Jesus sendo transpassado. Israel e o mundo inteiro se lamentarão por não terem aceitado o Messias em Sua Primeira Vinda. Após a ascensão de Jesus aos Céus, os anjos declararam aos apóstolos: “Homens galileus, por que estais olhando para o céu? Esse Jesus, que dentre vós foi recebido em cima no céu, há de vir assim como para o céu o vistes ir” (At 1.11). Zacarias 14.4 identifica a localização da Segunda Vinda como o Monte das Oliveiras. Mateus 24.30 declara: “Então aparecerá no céu o sinal do Filho do homem; e todas as tribos da terra se lamentarão, e verão o Filho do homem, vindo sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória.” Tito 2.13 descreve a Segunda Vinda como “o aparecimento da glória”. A Segunda Vinda é descrita em seus mínimos detalhes em Apocalipse 19.11-16: “E vi o céu aberto, e eis um cavalo branco; e o que estava assentado sobre ele chama-se Fiel e Verdadeiro; e julga e peleja com justiça. E os seus olhos eram como chama de fogo; e sobre a sua cabeça havia muitos diademas; e tinha um nome escrito, que ninguém sabia senão ele mesmo. E estava vestido de uma veste salpicada de sangue; e o nome pelo qual se chama é a Palavra de Deus. E seguiam-no os exércitos no céu em cavalos brancos, e vestidos de linho fino, branco e puro. E da sua boca saía uma aguda espada, para ferir com ela as nações; e ele as regerá com vara de ferro; e ele mesmo é o que pisa o lagar do vinho do furor e da ira do Deus Todo-Poderoso. E no manto e na sua coxa tem escrito este nome: REI DOS REIS, E SENHOR DOS SENHORES.” (1)]
(1) https://www.gotquestions.org/Portugues/segunda-vinda.html
2. O DESTINO DOS IMPERIOS MUNDIAIS. As profecias sobre os impérios antigos, como a queda da Babilônia para nunca mais se erguer no cenário mundial (Is 13.19,20) e ascensão e queda dos impérios medo-persa, grego e romano nos capítulos 7 e 8 de Daniel, entre outros profetas, se cumpriram, e a própria História confirma esses fatos. As profecias messiânicas se cumpriram com abundâncias de detalhes, como o nascimento do Messias de uma virgem, na cidade de Belém, seu julgamento diante de Pôncio Pilatos, sua morte, sua ressurreição e a ascensão ao céu, entre outros.
Comentário:
O cumprimento das profecias bíblicas na Antiguidade e ao longo da história é igualmente a garantia do cumprimento das coisas futuras. Os profetas anunciaram também de antemão o destino de Israel e dos grandes impérios da Antiguidade, como Assíria, Babilônia, Grécia, Roma; tais oráculos se cumpriram no passado e outros se cumprem na atualidade (2). O Antigo Testamento com certeza profetiza sobre a vinda de Jesus como o Messias. Quanto ao nascimento de Jesus - Isaías 7.14; 9.6; Miqueias 5.2. Quanto ao ministério e morte de Jesus - Zacarias 9.9; Salmo 22.16-18. A profecia das “setenta semanas” em Daniel capítulo 9 predisse a data exata em que Jesus, o Messias, seria “morto”. Isaías 50.6 descreve corretamente a surra que Jesus teria que aguentar. Zacarias 12.10 prediz que o Messias seria “traspassado”, o que ocorreu depois de Jesus ter morrido na cruz.] (2) A razão da nossa fé: Assim cremos, assim vivemos, Por Esequias Soares
Resultado de imagem para os imperios mundiais
3- SOBRE AS DIÁSPORAS JUDAICAS. As profecias apontam, de antemão, as duas dispersões do povo judeu e as suas respectivas restaurações. A primeira Diáspora (Jr 16.13) e seu retorno (Ed 1.1-3); a segunda Diáspora, anunciada pelo próprio Senhor Jesus Cristo: "E cairão a fio de espada e para todas as nações serão levados cativos; e Jerusalém será pisada pelos gentios, até que os tempos dos gentios se completem" (Lc 21.24), com o seu respectivo retorno depois de mais de 18 séculos à terra de seus antepassados, tal como fora anunciado pelos profetas do Antigo Testamento, como Jeremias (Jr 31.17), Ezequiel (Ez 11.17; 36.24; 37.21), Amos (Am 9.14,15) e Zacarias (Zc 8.7,8).
Comentário: 
A Bíblia anunciou de antemão a dispersão dos judeus, mas profetizou seu retorno à terra de seus antepassados. Depois de cerca de 1.800 anos na diáspora, os filhos de Istarel retornaram para sua terra, e em um só dia nasceu uma nação (Is 66.8). Essa Palavra diz respeito à fundação do Estado de Israel logo após a derrota do nazismo (3). Esta última Diáspora começou depois da destruição de Jerusalém pelos romanos, no ano 70 d.C. Houve outra revolta contra Roma, liderada por Simon bar Kokhba, que foi tido como o Messias judeu, de 132-136 d.C. O imperador romano Adriano desbaratou essa revolta, devastou Jerusalém totalmente e depois espalhou os judeus, no ano 135 d.C. Como resultado disso, todas as comunidades judaicas, com exceção de algumas poucas, viveram fora da terra de Israel até o início do moderno retorno à terra, que se deu nos anos 1880. Durante o tempo da Diáspora os judeus têm cumprido determinadas profecias relacionadas ao seu destino completo (4).]
(3) A razão da nossa fé: Assim cremos, assim vivemos, Por Esequias Soares
(4) http://www.chamada.com.br/mensagens/dispersao.html
auxilioaomestre
II - TERMOS BÍBLICOS PARA A SEGUNDA VINDA DE CRISTO
1- VINDA. A palavra parousia (que se pronuncia "parussía") significa "vinda, chegada, presença, volta, visita real, advento, chegada de um rei". No aspecto escatológico, este substantivo se refere tanto ao arrebatamento da igreja (1Ts 4.15) como à vinda de Cristo em glória com sua Igreja (2 Ts 2.8). O outro termo é érchomai, "ir" e também "vir". Duas coisas opostas? Sim, desde que se considere o movimento entre o ponto de partida e o ponto de chegada. Para quem está no ponto de partida é "ida", mas, para quem estiver no ponto de chegada, é "vinda". Esse verbo aparece em referência à vinda de Jesus (Jo 14.3) e também à sua vinda em glória (At 1.11; Jd 14; Ap 1.7).
Comentário:
Parousia é uma palavra grega formada de pará (ao lado de) e ousia (o ser ou o estar; um “ser”; derivada de ei·mí, que significa “ser” ou “estar”). Significa literalmente “o estar ao lado de”, isto é, uma “presença”. Ela é empregada 24 vezes nas Escrituras (Mt 24.3, 27, 37, 39; 1Co 15.23; 16.17; 2Co 7.6, 7; 10.10; Fp 1.26; 2.12; 1Ts 2.19; 3.13; 4.15; 5.23; 2Ts 2.1, 8, 9; Tg 5.7, 8; 2Pd 1.16; 3.4, 12; 1Jo 2.28). Na literatura grega secular, parousia tornou-se o termo oficial para a visita de uma pessoa de grande destaque – um rei ou um imperador. Érchomai – eu vou, do verbo érchesthai – de vai, presente histórico. Nas narrativas do Novo Testamento é utilizado com sentido pretérito.]
2- MAANIFESTAÇÃO OU APARIÇÃO. O substantivo grego aqui é epipháneia, que só aparece seis vezes no Novo Testamento, com uso exclusivamente paulino, e todas as ocorrências dizem respeito à vinda de Jesus, desde a encarnação do Verbo (2 Tm 1.10). O apóstolo Paulo exorta os crentes para uma vida irrepreensível até "à aparição de nosso Senhor Jesus Cristo" (1Tm 6.14); "e o aparecimento da glória do grande Deus e nosso Senhor Jesus Cristo" (Tt 2.13). O termo é também traduzido por "vinda" em referência ao arrebatamento da Igreja (2 Tm 4.8). O apóstolo o emprega ainda para se referir à segunda vinda de Cristo em glória: "Conjuro-te, pois, diante de Deus e do Senhor Jesus Cristo, que há de julgar os vivos e os mortos, na sua vinda e no seu Reino" (2 Tm 4.1), ou conforme encontra-se na Almeida Revista e Atualizada, "pela sua manifestação e pelo seu reino".
Comentário:
Epifania significa aparição ou manifestação de algo, normalmente relacionado com o contexto espiritual e divino (5). Literalmente significa “manifestação”, “vir à luz”, “resplandecer” ou “brilhar”. O sentido é mais específico, porque se refere especialmente à vinda sobre as nuvens. É a volta pessoal de Cristo à Terra que acontecerá com uma manifestação visível e gloriosa (2Ts 2.8; 1Tm 6.14; 2Tm 4.6-8). Parousia é abrangente e pode referir-se tanto à vinda de Cristo para a Igreja como para o mundo. Entretanto, epiphanéia é um termo que especifica a volta de Cristo à terra de modo mais direto, porque diz respeito à Sua manifestação pessoal ao mundo (6).]
(5) https://www.significados.com.br/epifania/
(6) http://aquieuaprendi.blogspot.com.br/…/o-arrebatamento-da-i…
3- REVELAÇÃO. O termo é apokalypsis. O apóstolo Pedro emprega essa palavra para se referir ao arrebatamento da Igreja (l Pe 1.7). Esse termo é traduzido ainda como "manifestação", também em referência ao arrebatamento da Igreja: "De maneira que nenhum dom vos falta, esperando a manifestação de nosso Senhor Jesus Cristo" (l Co 1.7) ou de acordo com a versão Almeida Revista e Atualizada, "aguardando vós a revelação de nosso Senhor Jesus Cristo".
Comentário:
As palavras apokalypsis e epiphaneia são utilizadas para descrever tanto o arrebatamento (1Co 1.7; 1Tm 6.14) quanto o retorno ou segunda fase da Vinda de Cristo (2Ts 1.7-8, 2.8).]
III - OS EVENTOS DA SEGUNDA VINDA DE CRISTO
1- O ARREBATAMENTO DA IGREJA. É o rapto dos santos da terra, um acontecimento global e simultâneo em todo planeta. A profecia contempla até fusos horários, pois uns estarão 'dormindo à noite e outros trabalhando nesse exato momento (Lc 17.34-36). Esse evento será inesperado, algo rápido, em fração de segundo, e invisível os olhos humanos: num momento, num abrir e fechar de olhos, ao ressoar da última trombeta. A trombeta soará, os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados" (l Co 15.52, ARA). Os mortos salvos, os que "dormiram em Cristo", ressuscitarão primeiro (l Ts 4.16b); em seguida, nós, os crentes em Jesus que estivermos vivos nessa ocasião, com o corpo corruptível já revestido da incorruptibilidade, quando aquilo que é mortal estiver revestido da imortalidade (l Co 15.53), seremos arrebatados da terra para o encontro com o Senhor Jesus nas nuvens (l Ts 4.16,17). Essa é a primeira fase da segunda vinda de Cristo, a esperança da Igreja (Fp 3.21).
Comentário:
Existem alguns elementos especiais e misteriosos indicam a natureza e procedimento do arrebatamento da Igreja na vinda do Senhor. Surpresa: Esse elemento é rejeitado por alguns grupos que entendem que não haverá dois eventos distintos: o arrebatamento da Igreja e a vinda pessoal de Cristo. Ora, o que a Bíblia nos ensina é que, a Igreja, constituída pelos mortos e vivos em Cristo, se encontrará nas nuvens com o Senhor. Se por alguns a ideia da surpresa é rejeitada, uma grande maioria cristã prefere o que declara as Escrituras que destacam o elemento surpresa (Tt 2.13; Mt 24.35,36,42-44; 25.13). Esse elemento é fundamental porque a Igreja vive na esperança da vinda do Senhor. 2. Invisibilidade (1Ts 4.17). Por que será um evento invisível e para quem? Será invisível para o mundo material porque os arrebatados serão constituídos somente dos transformados. A transformação será tão rápida, que nenhum instrumento cronológico terá condição de perceber ou marcar o tempo. Quando o crente conquistar esse corpo imaterial, a matéria perderá totalmente sua força (1Co 15.43,44,49,51,53). 3. Imaterialidade (1Co 15.42, 52,53). Na verdade, a transformação que ocorrerá na vinda do Senhor será extraordinária e gloriosa, pois o que é material se revestirá do imaterial, o corruptível do incorruptível. Todas as limitações da matéria em nossos corpos serão anuladas completamente, pois, literalmente, nossos corpos serão revestidos de espiritualidade. 4. Velocidade (1Co 15.52). Para tentar explicar a velocidade do evento, Paulo usou o termo grego átomos, que aparece no texto sagrado pela expressão “num momento”, cujo sentido literal é indivisível (quanto ao tempo, aqui). A palavra átomos era usada para denotar “algo impossível de ser cortado ou dividido”. Também encontramos outras expressões bíblicas para denotar velocidade, tais como “abrir e fechar de olhos”, ou “o piscar de olhos”. Mesmo em época avançada e de velocidade da cibernética e da tecnologia, nada poderá contar e detectar o momento do milagre do arrebatamento da Igreja (7). arrebatados, harpadzo; Strong 726: capturar, agarrar, apanhar, pegar à força. A palavra descreve a ação do Espírito Santo ao transferir Filipe de um lugar para outro (At 8.39) e de Paulo sendo arrebatado para o Paraíso (2Co 12.2,4). Sugere o exercício de uma força repentina. O escritor do livro de Hebreus nos diz em Hebreus 9.28: “assim também Cristo, oferecendo-se uma só vez para levar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o esperam para salvação.” A primeira vinda de Cristo foi humilde, em um estábulo, e foi crucificado pelos homens, mas em sua segunda vinda, virá à terra para destruir seus inimigos, para julgar aos homens e estabelecer seu reino eterno. "Porquanto o Senhor mesmo... descerá dos céus..."(1 Ts 4.16). A ressurreição/o arrebatamento será o momento em que o Senhor Jesus deixará Seu trono no céu e virá pessoalmente ao encontro da Sua Igreja a fim de levá-la para a casa do Pai. Assim como um noivo vai ao encontro da sua noiva, o Salvador virá ao encontro dos que comprou pelo Seu sangue e os conduzirá para Sua glória. O Senhor não enviará um anjo ou qualquer outro emissário para fazer isso, Ele virá pessoalmente. Então se cumprirá literalmente a promessa de João 14.3: "E, quando eu for e vos preparar lugar, voltarei e vos receberei para mim mesmo, para que onde eu estou, estejais vós também." Assim como Ele em pessoa nos salvou e morreu na cruz por nós, assim como Ele mesmo foi preparar-nos lugar – Ele voltará pessoalmente para buscar-nos para Si, para que estejamos onde Ele está. Em inúmeras passagens do Novo Testamento somos conclamados a esperar a volta de Jesus a qualquer momento (por exemplo, em 1 Co 11.26; 1 Ts 1.10; Hb 10.37) (8).] (7) http://aquieuaprendi.blogspot.com.br/…/o-arrebatamento-da-i…
(8) http://auxilioebd.blogspot.com.br/…/licao-5-o-arrebatamento…
2- A VINDA DE CRISTO EM GLORIA. Sete anos depois do arrebatamento da Igreja, o Senhor virá em glória, visível aos olhos humanos (Mt 24.30,31; Lc 21.25-28). Nesse retorno de Jesus à terra, Ele virá acompanhado dos santos (l Ts 3.13; Jd 14). O propósito aqui é julgar as nações (Jl 3.12-14; Mt 25.31,32), restaurar o trono de Davi (Zc 12.8-14) em cumprimento à promessa de Deus feita por meio do anjo Gabriel:"[...] e o Senhor Deus lhe dará O trono de Davi, seu pai, e reinará eternamente na casa de Jacó, e o seu Reino não terá fim" (Lc 1.32,33); destruir a besta e o falso profeta (2 Ts 2.8; Ap 19.19,20) e estabelecer o seu reino de justiça e paz na terra, o reino de Deus de mil anos (Is 2.4; Ap 20.2,3).
Comentário:
Jesus usa uma linguagem clara, profética e simbólica para descrever sua volta. A lamentação das nações é uma alusão a Zacarias 12.10-12, e a vinda sobre as nuvens refere-se à posse do domínio por Cristo, profetizada em Daniel 7.13-14. Quando Cristo retornar à terra, ao fim do período da Grande Tribulação, Ele Se estabelecerá como Rei de Jerusalém, sentado no trono de Davi (Lc 1.32,33). Os pactos incondicionais exigem uma volta literal e física de Cristo para estabelecer o reino. O pacto de Abraão prometia a Israel uma terra, uma posteridade, um governante e uma bênção espiritual (Gn 12.1-3). O pacto da Palestina prometia a Israel a restauração e ocupação da terra (Dt 30.1-10). O pacto de Davi prometia a Israel perdão: meio pelo qual a nação poderia ser abençoada (Jr 31.31-34). A segunda vinda de Cristo, ainda que pessoal e visível, será muito diferente de Sua primeira vinda. Ele não voltará no corpo de Sua humilhação, mas num corpo glorificado e com vestes reais, Hb. 9.28. As nuvens do céu serão a Sua carruagem, Mt. 24.30, os anjos o seu corpo da guarda, 2 Ts. 1.7, os arcanjos os seus arautos, 1 Ts 4:16, e os anjos de Deus serão o seu glorioso séquito, 1 Ts 3:13; 2 Ts 1:10. Ele virá como Rei dos reis e Senhor dos senhores, triunfante sobre todas as forças do mal, havendo posto todos os Seus inimigos debaixo dos Seus pés, 1 Co 15:25; Ap 19:11-16. (Teologia Sistemática: Louis Berkhof). Jesus virá para destruir o Anticristo “E então será revelado o iníquo, a quem o Senhor desfará pelo sopro da sua boca, e aniquilará pelo esplendor da sua vinda” (2Ts 2.8). Depois que Satanás e "o homem do pecado" realizarem sua obra de engano e maldade (vv. 9,10), serão aniquilados quando da vinda de Cristo à terra, no fim da tribulação (ver Ap 19.20). “Vi o céu aberto, e apareceu um cavalo branco. O seu cavaleiro chama-se Fiel e Verdadeiro, e julga e peleja com justiça”. (Ap 19.11). Este versículo narra o começo da segunda vinda de Cristo à terra, como Rei dos reis e Senhor dos senhores (v. 16). Ele vem do céu como o Messias-Vencedor (cf. 2 Ts 1.7,8) para estabelecer a verdade e a justiça (Sl 96.13), julgar as nações e aniquilar o mal (cf. Jo 5.30), trazendo conSigo os exércitos celestiais - incluem todos os santos que já estão no céu (cf. 17.14). Suas vestes brancas confirmam esse fato. É esse o evento que os fiéis de todas as gerações aguardam (9).] (9) http://auxilioebd.blogspot.com.br/…/licao-9-vinda-de-jesus-…
3- A GRANDE TRIBULAÇÃO. É o período de transição entre a Dispensação da Igreja e o Milênio, um tempo de angús­tia e sofrimentos sem precedentes na história (Dn 12.1; Jl 2.2; Mt 24.21; Mc 13.19), também conhecido como "o Dia do Senhor" (Jl 1.15; 2 Pé 3.10). A Igreja não passará por esse período, que é conhecido como a "Grande Tribulação" (l Ts 1.10). Será a era do anticristo (2 Ts 2.7-9), identificado como a besta (Ap 13.2-8). O falso profeta será o porta-voz do anticristo, que enganará o povo por meio dos falsos milagres (Ap 16.13,14). O anticristo fará um concerto com a nação de Israel por uma "semana de anos" (Dn 9.27), mas na metade deste período o concerto será rompido, pois os judeus descobrirão que fizeram um acordo com o próprio Diabo. Só a partir daí é que começa o período da angústia de Jacó (Jr 30.7). Todos esses horrores estão registrados a partir do capítulo 6 de Apocalipse. Este período foi determinado por Deus para fazer justiça contra a rebelião dos moradores da terra e para preparar a nação de Israel para o encontro com o seu Messias (Am 4.12).
Comentário: 
Segundo o Dicionário de Profecia Bíblica, a Grande Tribulação é um “período de aflição e angústias incomuns que terá início após o arrebatamento da Igreja. Deus, o justo Juiz, estará enviando sobre o mundo o seu juízo” (Is 13.11). Este período de aflição e angústias terá a duração de sete anos (Dn 9.27 a — “semana de anos”). Ela ocorrerá, entre o arrebatamento da Igreja e a vinda de Jesus em Glória (segunda fase, para reinar). Só os santos escaparão desse período tenebroso. Os avisos dos juízos de Deus são prova do seu amor, visando livrar da destruição aqueles que aceitam a Cristo e obedecem à sua Palavra. Será uma aflição “como nunca houve” na Terra (Mt 24.21; Ap 7.13,14). A duração da Tribulação é de sete anos. Isso é determinado por uma compreensão das setenta semanas de Daniel (Daniel 9.24-27). A Grande Tribulação, na verdade, acontece na segunda metade desse período, com uma duração de três e meio. Distingue-se do período da Tribulação porque a Besta, ou o Anticristo, será revelada e a ira de Deus vai intensificar enormemente durante este tempo. Assim, é importante neste momento enfatizar que a Tribulação e a Grande Tribulação não são termos sinônimos. Dentro da escatologia, a Tribulação se refere ao período completo de sete anos, enquanto que a "Grande Tribulação" refere-se à segunda metade da Tribulação. A terra entrará em pânico total com a desaparição dos filhos de Deus, e em meio a desordem surgirá um ser que aparentemente solucionará os problemas mundiais, trazendo uma falsa paz. Este período de Grande Tribulação é o cumprimento literal da última semana de Daniel. (70ª Semana - Daniel 9.24 – 27) (10)]
(10) http://auxilioebd.blogspot.com.br/…/licao-8-grande-tribulac…
4. O TRIBUNAL DE CRISTO E AS BODAS DO CORDEIRO. Enquanto a Grande Tribula­ção acontece na terra; no céu, os santos estarão recebendo a recompensa por aquilo que cada um fez em vida pela causa do evangelho (l Co 3.12-15; Ap 22.12). É o chamado Tribunal de Cristo (2 Co 5.10), a premiação dos salvos. Não se trata de um julgamento para a salvação ou condenação. Todos os presentes já são salvos em Jesus, visto que a salvação é pela graça; aqui se trata de mais uma bênção aos salvos. Em seguida, virá a festa das bodas do Cordeiro (Ap 10.9), o grande banquete que celebrará a união de Cristo com a sua Igreja.
Comentário:
Os crentes serão julgados? A Bíblia diz: “E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo...” (Hb 9.27). Até mesmo uma pessoa salva deverá passar por um julgamento, o julgamento do tribunal de Cristo. O julgamento de 1 Coríntios 3, com ênfase nos versos 13 e 14, refere-se aos cristãos, de modo que se alguém é salvo – é um filho de Deus – e é aí que ele se encaixa. O Tribunal de Cristo, desta forma, envolve crentes dando contas de suas vidas a Cristo. O Tribunal de Cristo não determina salvação; esta foi determinada pelo sacrifício de Cristo em nosso lugar (1Jo 2.2), e nossa fé Nele (Jo 3.16). Todos os nossos pecados são perdoados e nunca seremos condenados por eles (Rm 8.1). Não devemos olhar para o Tribunal de Cristo como Deus julgando nossos pecados, mas sim como Deus nos galardoando por nossas vidas. Sim, como dizem as Escrituras, teremos que dar conta de nossas vidas. Parte disto é, certamente, dar conta pelos pecados que cometemos. Entretanto, este não será o foco principal do Tribunal de Cristo. No Tribunal de Cristo, crentes são recompensados tomando-se por base o quão fielmente serviram a Cristo (2Co 9.4-27; 2Tm 2.5). As coisas pelas quais seremos julgados serão provavelmente o quão fielmente obedecemos à Grande Comissão (Mt 28.18-20), o quão vitoriosos fomos sobre o pecado (Rm 6.1-4), o quão bem controlamos nossa língua (Tg 3.1-9), etc. A Bíblia fala dos crentes recebendo coroas por diferentes coisas com base em quão fielmente serviram a Cristo (1Co 9.4-27; 2Tm 2.5). As várias coroas são descritas em textos como 2Tm 2.5; 2Tm 2.4-8; Tg 1.12; 1Pd 5.4 e Ap 2.10. Tiago 1.12 é um bom resumo de como devemos pensar no Tribunal de Cristo: “Bem-aventurado o homem que sofre a tentação; porque, quando for provado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor tem prometido aos que o amam.” (11). As bodas ou casamento é do filho do Rei, o Senhor Jesus Cristo e sua noiva, a Igreja, sendo o local do casamento o grande dia final do Tribunal de Cristo, enquanto na terra, estará se findando a Grande Tribulação. O termo "bodas" vem do latim "vota", isto é, "votos", em alusão aos votos matrimoniais por ocasião do casamento. É uma festa de casamento. O termo é também plural porque tal festa durava sete dias e até 14 dias (Jz 14.12). Na festa, a alegria, solidariedade, entrega de presentes, paz, comunhão, comida farta, quebra copos e todos os costumes judaicos numa festa de casamento aconteciam ao som de muita música e com danças típicas. Isto nos leva a pensar na alegria e gozo imensuráveis que experimentaremos logo após o Tribunal de Cristo, quando nos sentaremos à mesa com Cristo, o nosso salvador (12).]
(11) http://auxilioebd.blogspot.com.br/…/licao-6-o-tribunal-de-c…
(12) http://auxilioebd.blogspot.com.br/…/licao-7-as-bodas-do-cor…
SÍNTESE DO TÓPICO III - O arrebatamento, a grande tribula­ção e vinda em glória são os eventos da segunda vinda de Cristo.
CONCLUSÃO
Essas amostras proféticas servem como garantias de que tudo o que está escrito para o fim dos tempos irá de igual modo se cumprir (Jr 1.12). A nossa esperança não se baseia numa utopia, mas em fatos revelados na Palavra de Deus e confirmados pela História. A escatologia bíblica é a continuação do processo histórico. [Comentário: Estudar e meditar sobre a vinda de Cristo promove nos remidos a fé e a esperança neste evento prometido pelas Escrituras. Não nos preocupemos demasiadamente com as várias teorias de interpretação, é importante conhecê-las e se posicionar com aquela que julgamos mais coerente; de fato, o que nos é preciso é permaneçamos, sim, atentos ao fato de que Jesus virá. Devemos estar preparados para encontrar com o Senhor. Diante da revelação acerca do futuro glorioso da Igreja, vale a pena buscar a santificação para poder participar dessa maravilhosa festa celestial. Nas Bodas do Cordeiro, só haverá alegria, com a presença de bilhões de crentes salvos, de todo o mundo, de todos os tempos, rodeados de anjos, do arcanjo, de querubins, serafins, dos quatro seres viventes e dos vinte e quatro anciãos.] “... corramos, com perseverança, a carreira que nos está proposta, olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus ...” (Hebreus 12.1-2),
Prof. Abdias Barreto.
II - TERMOS BÍBLICOS PARA A SEGUNDA VINDA DE CRISTO
1- VINDA. A palavra parousia (que se pronuncia "parussía") significa "vinda, chegada, presença, volta, visita real, advento, chegada de um rei". No aspecto escatológico, este substantivo se refere tanto ao arrebatamento da igreja (1Ts 4.15) como à vinda de Cristo em glória com sua Igreja (2 Ts 2.8). O outro termo é érchomai, "ir" e também "vir". Duas coisas opostas? Sim, desde que se considere o movimento entre o ponto de partida e o ponto de chegada. Para quem está no ponto de partida é "ida", mas, para quem estiver no ponto de chegada, é "vinda". Esse verbo aparece em referência à vinda de Jesus (Jo 14.3) e também à sua vinda em glória (At 1.11; Jd 14; Ap 1.7).
Comentário:
Parousia é uma palavra grega formada de pará (ao lado de) e ousia (o ser ou o estar; um “ser”; derivada de ei·mí, que significa “ser” ou “estar”). Significa literalmente “o estar ao lado de”, isto é, uma “presença”. Ela é empregada 24 vezes nas Escrituras (Mt 24.3, 27, 37, 39; 1Co 15.23; 16.17; 2Co 7.6, 7; 10.10; Fp 1.26; 2.12; 1Ts 2.19; 3.13; 4.15; 5.23; 2Ts 2.1, 8, 9; Tg 5.7, 8; 2Pd 1.16; 3.4, 12; 1Jo 2.28). Na literatura grega secular, parousia tornou-se o termo oficial para a visita de uma pessoa de grande destaque – um rei ou um imperador. Érchomai – eu vou, do verbo érchesthai – de vai, presente histórico. Nas narrativas do Novo Testamento é utilizado com sentido pretérito.]
2- MAANIFESTAÇÃO OU APARIÇÃO. O substantivo grego aqui é epipháneia, que só aparece seis vezes no Novo Testamento, com uso exclusivamente paulino, e todas as ocorrências dizem respeito à vinda de Jesus, desde a encarnação do Verbo (2 Tm 1.10). O apóstolo Paulo exorta os crentes para uma vida irrepreensível até "à aparição de nosso Senhor Jesus Cristo" (1Tm 6.14); "e o aparecimento da glória do grande Deus e nosso Senhor Jesus Cristo" (Tt 2.13). O termo é também traduzido por "vinda" em referência ao arrebatamento da Igreja (2 Tm 4.8). O apóstolo o emprega ainda para se referir à segunda vinda de Cristo em glória: "Conjuro-te, pois, diante de Deus e do Senhor Jesus Cristo, que há de julgar os vivos e os mortos, na sua vinda e no seu Reino" (2 Tm 4.1), ou conforme encontra-se na Almeida Revista e Atualizada, "pela sua manifestação e pelo seu reino".
Comentário:
Epifania significa aparição ou manifestação de algo, normalmente relacionado com o contexto espiritual e divino (5). Literalmente significa “manifestação”, “vir à luz”, “resplandecer” ou “brilhar”. O sentido é mais específico, porque se refere especialmente à vinda sobre as nuvens. É a volta pessoal de Cristo à Terra que acontecerá com uma manifestação visível e gloriosa (2Ts 2.8; 1Tm 6.14; 2Tm 4.6-8). Parousia é abrangente e pode referir-se tanto à vinda de Cristo para a Igreja como para o mundo. Entretanto, epiphanéia é um termo que especifica a volta de Cristo à terra de modo mais direto, porque diz respeito à Sua manifestação pessoal ao mundo (6).]
(5) https://www.significados.com.br/epifania/
(6) http://aquieuaprendi.blogspot.com.br/…/o-arrebatamento-da-i…
3- REVELAÇÃO. O termo é apokalypsis. O apóstolo Pedro emprega essa palavra para se referir ao arrebatamento da Igreja (l Pe 1.7). Esse termo é traduzido ainda como "manifestação", também em referência ao arrebatamento da Igreja: "De maneira que nenhum dom vos falta, esperando a manifestação de nosso Senhor Jesus Cristo" (l Co 1.7) ou de acordo com a versão Almeida Revista e Atualizada, "aguardando vós a revelação de nosso Senhor Jesus Cristo".
Comentário:
As palavras apokalypsis e epiphaneia são utilizadas para descrever tanto o arrebatamento (1Co 1.7; 1Tm 6.14) quanto o retorno ou segunda fase da Vinda de Cristo (2Ts 1.7-8, 2.8).]
III - OS EVENTOS DA SEGUNDA VINDA DE CRISTO
1- O ARREBATAMENTO DA IGREJA. É o rapto dos santos da terra, um acontecimento global e simultâneo em todo planeta. A profecia contempla até fusos horários, pois uns estarão 'dormindo à noite e outros trabalhando nesse exato momento (Lc 17.34-36). Esse evento será inesperado, algo rápido, em fração de segundo, e invisível os olhos humanos: num momento, num abrir e fechar de olhos, ao ressoar da última trombeta. A trombeta soará, os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados" (l Co 15.52, ARA). Os mortos salvos, os que "dormiram em Cristo", ressuscitarão primeiro (l Ts 4.16b); em seguida, nós, os crentes em Jesus que estivermos vivos nessa ocasião, com o corpo corruptível já revestido da incorruptibilidade, quando aquilo que é mortal estiver revestido da imortalidade (l Co 15.53), seremos arrebatados da terra para o encontro com o Senhor Jesus nas nuvens (l Ts 4.16,17). Essa é a primeira fase da segunda vinda de Cristo, a esperança da Igreja (Fp 3.21).
Comentário:
Existem alguns elementos especiais e misteriosos indicam a natureza e procedimento do arrebatamento da Igreja na vinda do Senhor. Surpresa: Esse elemento é rejeitado por alguns grupos que entendem que não haverá dois eventos distintos: o arrebatamento da Igreja e a vinda pessoal de Cristo. Ora, o que a Bíblia nos ensina é que, a Igreja, constituída pelos mortos e vivos em Cristo, se encontrará nas nuvens com o Senhor. Se por alguns a ideia da surpresa é rejeitada, uma grande maioria cristã prefere o que declara as Escrituras que destacam o elemento surpresa (Tt 2.13; Mt 24.35,36,42-44; 25.13). Esse elemento é fundamental porque a Igreja vive na esperança da vinda do Senhor. 2. Invisibilidade (1Ts 4.17). Por que será um evento invisível e para quem? Será invisível para o mundo material porque os arrebatados serão constituídos somente dos transformados. A transformação será tão rápida, que nenhum instrumento cronológico terá condição de perceber ou marcar o tempo. Quando o crente conquistar esse corpo imaterial, a matéria perderá totalmente sua força (1Co 15.43,44,49,51,53). 3. Imaterialidade (1Co 15.42, 52,53). Na verdade, a transformação que ocorrerá na vinda do Senhor será extraordinária e gloriosa, pois o que é material se revestirá do imaterial, o corruptível do incorruptível. Todas as limitações da matéria em nossos corpos serão anuladas completamente, pois, literalmente, nossos corpos serão revestidos de espiritualidade. 4. Velocidade (1Co 15.52). Para tentar explicar a velocidade do evento, Paulo usou o termo grego átomos, que aparece no texto sagrado pela expressão “num momento”, cujo sentido literal é indivisível (quanto ao tempo, aqui). A palavra átomos era usada para denotar “algo impossível de ser cortado ou dividido”. Também encontramos outras expressões bíblicas para denotar velocidade, tais como “abrir e fechar de olhos”, ou “o piscar de olhos”. Mesmo em época avançada e de velocidade da cibernética e da tecnologia, nada poderá contar e detectar o momento do milagre do arrebatamento da Igreja (7). arrebatados, harpadzo; Strong 726: capturar, agarrar, apanhar, pegar à força. A palavra descreve a ação do Espírito Santo ao transferir Filipe de um lugar para outro (At 8.39) e de Paulo sendo arrebatado para o Paraíso (2Co 12.2,4). Sugere o exercício de uma força repentina. O escritor do livro de Hebreus nos diz em Hebreus 9.28: “assim também Cristo, oferecendo-se uma só vez para levar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o esperam para salvação.” A primeira vinda de Cristo foi humilde, em um estábulo, e foi crucificado pelos homens, mas em sua segunda vinda, virá à terra para destruir seus inimigos, para julgar aos homens e estabelecer seu reino eterno. "Porquanto o Senhor mesmo... descerá dos céus..."(1 Ts 4.16). A ressurreição/o arrebatamento será o momento em que o Senhor Jesus deixará Seu trono no céu e virá pessoalmente ao encontro da Sua Igreja a fim de levá-la para a casa do Pai. Assim como um noivo vai ao encontro da sua noiva, o Salvador virá ao encontro dos que comprou pelo Seu sangue e os conduzirá para Sua glória. O Senhor não enviará um anjo ou qualquer outro emissário para fazer isso, Ele virá pessoalmente. Então se cumprirá literalmente a promessa de João 14.3: "E, quando eu for e vos preparar lugar, voltarei e vos receberei para mim mesmo, para que onde eu estou, estejais vós também." Assim como Ele em pessoa nos salvou e morreu na cruz por nós, assim como Ele mesmo foi preparar-nos lugar – Ele voltará pessoalmente para buscar-nos para Si, para que estejamos onde Ele está. Em inúmeras passagens do Novo Testamento somos conclamados a esperar a volta de Jesus a qualquer momento (por exemplo, em 1 Co 11.26; 1 Ts 1.10; Hb 10.37) (8).] (7) http://aquieuaprendi.blogspot.com.br/…/o-arrebatamento-da-i…
(8) http://auxilioebd.blogspot.com.br/…/licao-5-o-arrebatamento…
2- A VINDA DE CRISTO EM GLORIA. Sete anos depois do arrebatamento da Igreja, o Senhor virá em glória, visível aos olhos humanos (Mt 24.30,31; Lc 21.25-28). Nesse retorno de Jesus à terra, Ele virá acompanhado dos santos (l Ts 3.13; Jd 14). O propósito aqui é julgar as nações (Jl 3.12-14; Mt 25.31,32), restaurar o trono de Davi (Zc 12.8-14) em cumprimento à promessa de Deus feita por meio do anjo Gabriel:"[...] e o Senhor Deus lhe dará O trono de Davi, seu pai, e reinará eternamente na casa de Jacó, e o seu Reino não terá fim" (Lc 1.32,33); destruir a besta e o falso profeta (2 Ts 2.8; Ap 19.19,20) e estabelecer o seu reino de justiça e paz na terra, o reino de Deus de mil anos (Is 2.4; Ap 20.2,3).
Comentário:
Jesus usa uma linguagem clara, profética e simbólica para descrever sua volta. A lamentação das nações é uma alusão a Zacarias 12.10-12, e a vinda sobre as nuvens refere-se à posse do domínio por Cristo, profetizada em Daniel 7.13-14. Quando Cristo retornar à terra, ao fim do período da Grande Tribulação, Ele Se estabelecerá como Rei de Jerusalém, sentado no trono de Davi (Lc 1.32,33). Os pactos incondicionais exigem uma volta literal e física de Cristo para estabelecer o reino. O pacto de Abraão prometia a Israel uma terra, uma posteridade, um governante e uma bênção espiritual (Gn 12.1-3). O pacto da Palestina prometia a Israel a restauração e ocupação da terra (Dt 30.1-10). O pacto de Davi prometia a Israel perdão: meio pelo qual a nação poderia ser abençoada (Jr 31.31-34). A segunda vinda de Cristo, ainda que pessoal e visível, será muito diferente de Sua primeira vinda. Ele não voltará no corpo de Sua humilhação, mas num corpo glorificado e com vestes reais, Hb. 9.28. As nuvens do céu serão a Sua carruagem, Mt. 24.30, os anjos o seu corpo da guarda, 2 Ts. 1.7, os arcanjos os seus arautos, 1 Ts 4:16, e os anjos de Deus serão o seu glorioso séquito, 1 Ts 3:13; 2 Ts 1:10. Ele virá como Rei dos reis e Senhor dos senhores, triunfante sobre todas as forças do mal, havendo posto todos os Seus inimigos debaixo dos Seus pés, 1 Co 15:25; Ap 19:11-16. (Teologia Sistemática: Louis Berkhof). Jesus virá para destruir o Anticristo “E então será revelado o iníquo, a quem o Senhor desfará pelo sopro da sua boca, e aniquilará pelo esplendor da sua vinda” (2Ts 2.8). Depois que Satanás e "o homem do pecado" realizarem sua obra de engano e maldade (vv. 9,10), serão aniquilados quando da vinda de Cristo à terra, no fim da tribulação (ver Ap 19.20). “Vi o céu aberto, e apareceu um cavalo branco. O seu cavaleiro chama-se Fiel e Verdadeiro, e julga e peleja com justiça”. (Ap 19.11). Este versículo narra o começo da segunda vinda de Cristo à terra, como Rei dos reis e Senhor dos senhores (v. 16). Ele vem do céu como o Messias-Vencedor (cf. 2 Ts 1.7,8) para estabelecer a verdade e a justiça (Sl 96.13), julgar as nações e aniquilar o mal (cf. Jo 5.30), trazendo conSigo os exércitos celestiais - incluem todos os santos que já estão no céu (cf. 17.14). Suas vestes brancas confirmam esse fato. É esse o evento que os fiéis de todas as gerações aguardam (9).] (9) http://auxilioebd.blogspot.com.br/…/licao-9-vinda-de-jesus-…
3- A GRANDE TRIBULAÇÃO. É o período de transição entre a Dispensação da Igreja e o Milênio, um tempo de angús­tia e sofrimentos sem precedentes na história (Dn 12.1; Jl 2.2; Mt 24.21; Mc 13.19), também conhecido como "o Dia do Senhor" (Jl 1.15; 2 Pé 3.10). A Igreja não passará por esse período, que é conhecido como a "Grande Tribulação" (l Ts 1.10). Será a era do anticristo (2 Ts 2.7-9), identificado como a besta (Ap 13.2-8). O falso profeta será o porta-voz do anticristo, que enganará o povo por meio dos falsos milagres (Ap 16.13,14). O anticristo fará um concerto com a nação de Israel por uma "semana de anos" (Dn 9.27), mas na metade deste período o concerto será rompido, pois os judeus descobrirão que fizeram um acordo com o próprio Diabo. Só a partir daí é que começa o período da angústia de Jacó (Jr 30.7). Todos esses horrores estão registrados a partir do capítulo 6 de Apocalipse. Este período foi determinado por Deus para fazer justiça contra a rebelião dos moradores da terra e para preparar a nação de Israel para o encontro com o seu Messias (Am 4.12).
Comentário: 
Segundo o Dicionário de Profecia Bíblica, a Grande Tribulação é um “período de aflição e angústias incomuns que terá início após o arrebatamento da Igreja. Deus, o justo Juiz, estará enviando sobre o mundo o seu juízo” (Is 13.11). Este período de aflição e angústias terá a duração de sete anos (Dn 9.27 a — “semana de anos”). Ela ocorrerá, entre o arrebatamento da Igreja e a vinda de Jesus em Glória (segunda fase, para reinar). Só os santos escaparão desse período tenebroso. Os avisos dos juízos de Deus são prova do seu amor, visando livrar da destruição aqueles que aceitam a Cristo e obedecem à sua Palavra. Será uma aflição “como nunca houve” na Terra (Mt 24.21; Ap 7.13,14). A duração da Tribulação é de sete anos. Isso é determinado por uma compreensão das setenta semanas de Daniel (Daniel 9.24-27). A Grande Tribulação, na verdade, acontece na segunda metade desse período, com uma duração de três e meio. Distingue-se do período da Tribulação porque a Besta, ou o Anticristo, será revelada e a ira de Deus vai intensificar enormemente durante este tempo. Assim, é importante neste momento enfatizar que a Tribulação e a Grande Tribulação não são termos sinônimos. Dentro da escatologia, a Tribulação se refere ao período completo de sete anos, enquanto que a "Grande Tribulação" refere-se à segunda metade da Tribulação. A terra entrará em pânico total com a desaparição dos filhos de Deus, e em meio a desordem surgirá um ser que aparentemente solucionará os problemas mundiais, trazendo uma falsa paz. Este período de Grande Tribulação é o cumprimento literal da última semana de Daniel. (70ª Semana - Daniel 9.24 – 27) (10)]
(10) http://auxilioebd.blogspot.com.br/…/licao-8-grande-tribulac…
4. O TRIBUNAL DE CRISTO E AS BODAS DO CORDEIRO. Enquanto a Grande Tribula­ção acontece na terra; no céu, os santos estarão recebendo a recompensa por aquilo que cada um fez em vida pela causa do evangelho (l Co 3.12-15; Ap 22.12). É o chamado Tribunal de Cristo (2 Co 5.10), a premiação dos salvos. Não se trata de um julgamento para a salvação ou condenação. Todos os presentes já são salvos em Jesus, visto que a salvação é pela graça; aqui se trata de mais uma bênção aos salvos. Em seguida, virá a festa das bodas do Cordeiro (Ap 10.9), o grande banquete que celebrará a união de Cristo com a sua Igreja.
Comentário:
Os crentes serão julgados? A Bíblia diz: “E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo...” (Hb 9.27). Até mesmo uma pessoa salva deverá passar por um julgamento, o julgamento do tribunal de Cristo. O julgamento de 1 Coríntios 3, com ênfase nos versos 13 e 14, refere-se aos cristãos, de modo que se alguém é salvo – é um filho de Deus – e é aí que ele se encaixa. O Tribunal de Cristo, desta forma, envolve crentes dando contas de suas vidas a Cristo. O Tribunal de Cristo não determina salvação; esta foi determinada pelo sacrifício de Cristo em nosso lugar (1Jo 2.2), e nossa fé Nele (Jo 3.16). Todos os nossos pecados são perdoados e nunca seremos condenados por eles (Rm 8.1). Não devemos olhar para o Tribunal de Cristo como Deus julgando nossos pecados, mas sim como Deus nos galardoando por nossas vidas. Sim, como dizem as Escrituras, teremos que dar conta de nossas vidas. Parte disto é, certamente, dar conta pelos pecados que cometemos. Entretanto, este não será o foco principal do Tribunal de Cristo. No Tribunal de Cristo, crentes são recompensados tomando-se por base o quão fielmente serviram a Cristo (2Co 9.4-27; 2Tm 2.5). As coisas pelas quais seremos julgados serão provavelmente o quão fielmente obedecemos à Grande Comissão (Mt 28.18-20), o quão vitoriosos fomos sobre o pecado (Rm 6.1-4), o quão bem controlamos nossa língua (Tg 3.1-9), etc. A Bíblia fala dos crentes recebendo coroas por diferentes coisas com base em quão fielmente serviram a Cristo (1Co 9.4-27; 2Tm 2.5). As várias coroas são descritas em textos como 2Tm 2.5; 2Tm 2.4-8; Tg 1.12; 1Pd 5.4 e Ap 2.10. Tiago 1.12 é um bom resumo de como devemos pensar no Tribunal de Cristo: “Bem-aventurado o homem que sofre a tentação; porque, quando for provado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor tem prometido aos que o amam.” (11). As bodas ou casamento é do filho do Rei, o Senhor Jesus Cristo e sua noiva, a Igreja, sendo o local do casamento o grande dia final do Tribunal de Cristo, enquanto na terra, estará se findando a Grande Tribulação. O termo "bodas" vem do latim "vota", isto é, "votos", em alusão aos votos matrimoniais por ocasião do casamento. É uma festa de casamento. O termo é também plural porque tal festa durava sete dias e até 14 dias (Jz 14.12). Na festa, a alegria, solidariedade, entrega de presentes, paz, comunhão, comida farta, quebra copos e todos os costumes judaicos numa festa de casamento aconteciam ao som de muita música e com danças típicas. Isto nos leva a pensar na alegria e gozo imensuráveis que experimentaremos logo após o Tribunal de Cristo, quando nos sentaremos à mesa com Cristo, o nosso salvador (12).]
(11) http://auxilioebd.blogspot.com.br/…/licao-6-o-tribunal-de-c…
(12) http://auxilioebd.blogspot.com.br/…/licao-7-as-bodas-do-cor…
SÍNTESE DO TÓPICO III - O arrebatamento, a grande tribula­ção e vinda em glória são os eventos da segunda vinda de Cristo.
CONCLUSÃO
Essas amostras proféticas servem como garantias de que tudo o que está escrito para o fim dos tempos irá de igual modo se cumprir (Jr 1.12). A nossa esperança não se baseia numa utopia, mas em fatos revelados na Palavra de Deus e confirmados pela História. A escatologia bíblica é a continuação do processo histórico. [Comentário: Estudar e meditar sobre a vinda de Cristo promove nos remidos a fé e a esperança neste evento prometido pelas Escrituras. Não nos preocupemos demasiadamente com as várias teorias de interpretação, é importante conhecê-las e se posicionar com aquela que julgamos mais coerente; de fato, o que nos é preciso é permaneçamos, sim, atentos ao fato de que Jesus virá. Devemos estar preparados para encontrar com o Senhor. Diante da revelação acerca do futuro glorioso da Igreja, vale a pena buscar a santificação para poder participar dessa maravilhosa festa celestial. Nas Bodas do Cordeiro, só haverá alegria, com a presença de bilhões de crentes salvos, de todo o mundo, de todos os tempos, rodeados de anjos, do arcanjo, de querubins, serafins, dos quatro seres viventes e dos vinte e quatro anciãos.] “... corramos, com perseverança, a carreira que nos está proposta, olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus ...” (Hebreus 12.1-2),
Prof. Abdias Barreto.
www.abdiasbarreto.blogspot.com

"Ao único Deus sábio, Salvador nosso, seja glória e majestade, domínio e poder, agora, e para todo o sempre." (Jd 1:25.)
 https://www.facebook.com/centro.apologetico
 E-mail: abdiasbarreto@gmail.com
 Whats-App - 85.98857-5757.
 Cel - 85.99905-5757.
 Prof. Abdias Barreto.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...